Notícias

Movimentos lotam plenária de mobilização da CPI dos Ônibus

O auditório do Clube de Engenharia lotou na noite de ontem (05/08) quando militantes de vários movimentos e trabalhadores atenderam à convocação para a plenária popular de mobilização para a CPI, liderada pelo movimento O Rio quer: CPI dos Ônibus. Será na próxima terça-feira (13/08), às 10h, no Salão Nobre da Câmara Municipal, a instalação da Comissão Parlamentar de Inquérito – que foi requerida pelo vereador Eliomar Coelho (PSOL). O coletivo Mídia Ninja transmitiu a reunião ao vivo.

“Esta CPI tem muita responsabilidade. Todos os transportes desta cidade são um desastre. Bastava o trem funcionar para não termos a metade dos problemas. Seria a solução para a Zona Oeste”, observou Marcia Vera, da FAM Rio (Federação das Associações de Moradores) que compôs a mesa da plenária ao lado do assessor do vereador Eliomar Coelho, o geógrafo Jorge Luis Borges, que acompanhará os trabalhos da CPI, e de Mariana Santarelli, do movimento #ocupaonibus, que espalha e estimula intervenções criativas nos coletivos, fotografadas e viralizadas nas redes sociais.

O consenso entre os militantes de movimentos que participaram da plenária é que a mobilização da sociedade é fundamental para a CPI não acabar em pizza.

“Temos uma meta pragmática: Eliomar Coelho tem que ser o presidente da CPI. Se os outros quatro membros serão vereadores que não assinaram o requerimento e não tem interesse que a CPI dê certo, o único em que confio, que fará uma devassa nas contas e será pró-ativo, é Eliomar”, defendeu Bernardo Ainbinder, do Rio quer: CPI dos Ônibus.

Eliomar Coelho adiantou que pretende brigar, na quinta-feira, para ser escolhido o presidente da CPI. A tradição no Legislativo é que o parlamentar requerente presida a comissão que solicitou instalar.

“O poder pilar burguês das empresas de ônibus, das empreiteiras e dos atacadistas do comércio forma uma hegemonia da dominação que consegue controlar os parlamentares. Só mesmo com muita pressão para a CPI funcionar”, afirmou o deputado federal Chico Alencar.

De acordo com Jorge Luis Borges, a investigação da CPI será apoiada em três eixos: questionar a razoabilidade do modelo de transporte adotado na licitação realizada pela prefeitura em 2010, levantar informações sobre os fluxos financeiros, e averiguar o padrão de atendimento e fiscalização.

“A prefeitura transferiu R$ 50 milhões para a Rio Ônibus em convênio com a justificativa de custear os validadores nas escolas. Está cobrindo o sistema de gratuidade das passagens que deveria ser computado no custo das empresas?”questiona Jorge.

Outro questão a ser averiguada é se as multas impostas pela fiscalização pelo serviço 1746 são virtuais e porque até agora as empresas não oferecem GPS, uma das exigências impostas na licitação.

Participaram da plenária os parlamentares Paulo Pinheiro e Renato Cinco, que formam a bancada do PSOL no Legislativo.

Esta entrada foi publicada em Notícias. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>