Rio - 26 de março de 2014

50 anos do golpe


O passado não pode ser esquecido. No dia 31 de março, quando o golpe militar completa 50 anos, Eliomar Coelho presidirá a solenidade “Página Infeliz da nossa história”, às 18h, no plenário da Câmara Rio. O ato em nome da memória dos anos de chumbo é uma iniciativa dos vereadores Eliomar, Renato Cinco e Paulo Pinheiro, que formam a bancada do PSOL/RJ no Legislativo. Participam, também, o deputado federal Chico Alencar (PSOL/RJ) e entidades ligadas ao combate à ditadura e à defesa dos direitos humanos. Lucio Sanfilippo faz show com músicas que marcaram a época da ditadura. E será lançada a edição número 1 da revista do PSOL Carioca sobre os 50 anos do Golpe.

Dia: segunda-feira, 31/03
Hora: 18h
Local: plenário do Palácio Pedro Ernesto, na Cinelândia

Uma ferida que sangra sempre
Maria Amélia Teles
“Aquele dia 31 de março de 1964, era uma terça-feira. Voltei para casa, depois de um dia de trabalho. O clima político andava nervoso, conflitos constantes.(…)”. Leia na íntegra o depoimento de Maria Amélia Teles, a Amelinha, torturada na ditadura e fundadora da Comissão de Familiares de Mortos e Desaparecidos Políticos.

Porto Olímpico: qual é a verdade?
No site Rio 2016, a promessa continua publicada: o funcionamento das Vilas de Mídia e de Árbitros nas Olimpíadas em um Porto revitalizado aos moldes do que aconteceu, de fato, em Barcelona. Na cidade espanhola, a Zona Portuária ganhou novas avenidas e prédios que abrigaram a população depois dos jogos de 1992. Eduardo Paes chegou a dizer que precisaria tirar as instalações olimpícas do Porto para evitar gastos de R$ 90 milhões na recuperação de imóveis ocupados durante o evento. A decisão, no entanto, foi negada pela própria Rio 2016 em curto espaço de três dias depois da divulgação na imprensa, da má repercussão junto à opinião pública e de uma entrevista explicativa do prefeito confirmando a transferência das vila de mídia e de árbitro para Curicica. Será que a intenção revelada não esconde o fato evidente de que não há como concluir a obra realizada de forma impecável pelo data show que ilustra o site? O vídeo inclui até pedestres caminhando numa área que é hoje desértica. Leia mais

Caos em Santa Teresa

Com previsão de acabar em março, as obras da Rua Joaquim Murtinho, interditada em novembro de 2013, vão durar pelo menos mais três meses. Apenas 400 metros dos 2.400 metros de trilhos foram trocados. Ontem, (25/03), mais uma vez, moradores do bairro tentaram impedir a abertura de novo canteiro de obras em trecho da Rua Almirante Alexandrino. Houve tumulto e a professora Nilce Azevedo, de 65 anos, quase foi atropelada por uma retroescavadeira. Segundo denúncia da AMAST (Associação de Moradores e Amigos de Santa Teresa), a obra foi iniciada sem planejamento. CEG, Cedae e Rio-Águas ainda realizam intervenções na Rua Joaquim Murtinho que, de acordo com a entidade, poderiam ter sido feitas sem o fechamento da rua. A interdição prejudicou o abastecimento de água, a coleta de lixo e a segurança da rua. E o bairro foi submetido a uma nova engenharia de tráfego que afetou a mobilidade urbana de Santa Teresa. Leia matéria publicada nesta segunda-feira (24/03) no site do Mandato Eliomar Coelho

O encontro dos professores
Começou, nesta quarta-feira, o 14º Congresso do Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação do Rio que termina no próximo sábado, dia 29/03 . As jornadas de junho, a luta pela educação pública, laica e de qualidade e a criminalização dos movimentos sociais são temas do encontro que reunirá 1.800 delegados. A plenária final será no sábado, de 9h às 16h. “ Fora de Ordem” e “Se o presente é luta, o futuro nos pertence” são duas das 21 teses gerais apresentadas. O congresso acontece no Clube Municipal, na Tijuca.
Dia: de hoje até sábado, 29/03
Hora: 9h
Local: Clube Municipal na Rua Hadock Lobo, 359, na Tijuca

Para não esquecer

Mais de 100 vezes Claudia. Já são mais de 160 desenhos criados como forma de tributo a Claudia Silva Ferreira. Veja.

Para refletir
No momento em que as Forças Armadas se preparam para ocupar, entre os dias 7/04 e 10/04, 15 comunidades do Complexo da Maré – onde vem ocorrendo ataques à UPPs locais –, vale a pena ler o manifesto “Queremos ser felizes e andar tranquilamente na favela em que nascemos. “É possível perceber que só a presença da polícia nos territórios ocupados não tem trazido a paz”. Escrito coletivamente por movimentos como Ocupa Alemão, Raízes em Movimento, EDUCAP e Jornal Voz das Comunidades, o documento denuncia a abuso de poder, arbitrariedades e mortes. Além de Amarildo, assassinado na Rocinha, o manifesto lista nomes de jovens mortos em diferentes comunidades “Nesta política não podemos deixar de citar os policiais mortos na ação suicida do Estado. Não aceitamos essas mortes, nenhuma vida vale mais que a outra e é preciso que o Estado se responsabilize. Afinal qual é a paz que queremos promover? A paz bélica?”, questiona o documento. Leia na íntegra

Guerra às drogas
Luciana Genro
“O porta voz da polícia do Rio de Janeiro, ao tentar desculpar-se pela morte brutal de Cláudia, assassinada com vários tiros e arrastada pelas ruas, disse que ela era uma mãe de família, e portanto não havia razão para ela ser tratada assim. Poucos perceberam, mas o discurso oculto do policial é que se ela fosse de fato uma traficante não haveria problemas em ser assassinada. Quando Amarildo sumiu, também, a primeira justificativa foi de que ele era um traficante e, portanto, merecedor de violência e morte.” Leia na íntegra

Cinema engajado

“Memórias de Chumbo: O Futebol nos tempos do Condor” será exibido no dia 30 de março, às 9h, no Cine Odeon na programação do projeto “Domingo é dia de cinema”. Um debate reunirá o diretor do filme Lúcio de Castro, o historiador Luiz Antônio Simas, a jornalista Paula Máiran, o músico Marcelo Yuka e um representante do Grupo Tortura Nunca Mais após o filme, na véspera do 31 de março que marca a passagem dos 50 anos do golpe militar.

RIO ANTIGO
Copacabana é o bairro com a maior coleção de prédios Art Déco na cidade. Uma abreviação de Arts décoratifs, o estilo é baseado em linhas geométricas, com destaque para a aerodinâmica e a inspiração nas culturas antigas, como grega e romana. Se muitas construções foram varridas da paisagem, prédios como OK, construído em 1928 e hoje rebatizado Edificio Ribeiro Moreira, permanecem de pé para contar um pouco da história da arquitetura entre os anos 35 e 50. Viaje no tempo