Notícias

A corrupção no sistema de transportes no Estado do Rio

Em depoimento na última sexta-feira (5), Cabral acusou vários dos protagonistas do esquema da Fetranspor, que há tantos anos vimos denunciando. Citou o ex-ministro Moreira Franco, Paes e Crivella como beneficiários de propinas por parte de empresas de ônibus. Disse ainda o que também sempre denunciamos sobre a FGV, que recebia muita grana para dar soluções legais aos projetos de governo. “A FGV era o biombo legal para efetivar ilegalidades. A FGV Consultoria, comandada pelo César Campos. Ela fugia da licitação e dava amparo legal. Sabia que havia ilegalidades. Quem tratava com o Fichtner era o César Campos. Casos como Metrô e o Maracanã”, disse Cabral.

Há mais de três décadas membros do executivo, legislativo e judiciário atuam no sistema que move essa engenharia corrupta que tanto mal causa aos usuários dos transportes e a toda a população do estado do Rio de Janeiro. Cabral detalhou compra de apoio político, esquema de caixa dois nas campanhas e compra de estudos para chancelar iniciativas do governo, além dos esquemas das empresas de ônibus do Rio.

Ainda segundo o ex-governador, Crivella o procurou pedindo dinheiro para apoiar Paes nas eleições para a prefeitura do Rio em 2008.

Por décadas, o povo fluminense paga o preço da corrupção no setor de transportes, com péssima prestação de serviços, tarifas elevadas, irregularidade em horários e outros absurdos, em um sistema que, no fim das contas, sempre serviu para beneficiar políticos corruptos que perpetuam ano após ano essa engrenagem.

Veja mais

Esta entrada foi publicada em Notícias. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>