Blog

Agora, no Rio, todos os ônibus são pardos…

Quase um ano depois da misteriosa licitação de todas as linhas de ônibus da cidade – sem qualquer transparência ou informação minimamente qualificada para a população sobre o que de fato mudaria no sistema – vemos que quase nada se alterou. Foram licitadas mais de 400 linhas, divididas em quatro grandes regiões, atingindo todo o território do município.

O Centro do Rio ficou de fora por ser considerado área de operação comum. A princípio, uma mudança perceptível foi a implantação do bilhete único municipal que permitiu um primeiro nível de integração tarifária entre as diferentes linhas e um breve “respiro” para milhões de usuários que dependem de mais de uma condução nos seus deslocamentos diários. Mas isso é muito pouco.

A qualidade do serviço ainda é precária. Bairros inteiros da cidade continuam sem linhas para atendê-los nas mínimas necessidades de locomoção da sua população. Mas várias mudanças para pior já foram sentidas. Temos recebido denúncias de que algumas linhas tiveram diminuição da frota, levando a um grande aumento no tempo de espera e a uma maior lotação nos coletivos mesmo fora dos horários de pico. Houve mudança na numeração de algumas linhas sem qualquer aviso prévio aos usuários, o que leva a transtornos diversos.

Uma reclamação frequente diz respeito ao novo padrão visual dos carros. Uma das poucas marcas positivas que o sistema de ônibus carioca possuía em relação a outras grandes cidades do país era a identidade visual das empresas, com padrão de pintura dos veículos diferenciado. Isso facilitava muito a identificação dos ônibus à distância, principalmente, para pessoas com alguma dificuldade de visão ou de leitura dos letreiros, nem sempre tão legíveis.

Com a padronização imposta pela prefeitura, os ônibus estão sendo pintados no mesmo padrão de cor de acordo com sua região. Todos estão passando a ter a mesma cara sem nenhuma melhoria significativa nos seus letreiros.

Assim, por exemplo, uma pessoa no Méier que quer pegar um ônibus para a Ilha do Governador corre o risco de confundir-se e tomar um coletivo em direção à Tijuca, pois os carros estão todos com a mesma “cara”. No escuro, então, fica ainda mais difícil distinguir a linha. Com o novo padrão de iluminação pública baseado nas lâmpadas a vapor de sódio, amareladas e menos potentes, os ônibus ficam totalmente descaracterizados e, em velocidade, muitas vezes não conseguem ser identificados a tempo por pessoas de idade ou com alguma dificuldade de visão.

Trata-se de um problema que, infelizmente, teremos que enfrentar ao longo de muito tempo. Afinal, os contratos assinados com as operadoras dos quatro consórcios têm um prazo de 20 anos; pelo menos duas décadas se este tempo não for prorrogado após negociações obtusas e nada transparentes entre o poder público e os empresários do ramo.

Vale lembrar ainda que em maio do ano passado, logo após o lançamento do edital da prefeitura, encaminhamos um requerimento de informações à secretaria municipal de Transportes. Jamais foi respondido. Aonde está a transparência com que são tratados os usuários de transporte público do Rio de Janeiro.

Esta entrada foi publicada em Blog e marcada com a tag , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

3 respostas a Agora, no Rio, todos os ônibus são pardos…

  1. Saudações

    Essa mudança dos padrões de cores dos ônibus segue a mesma lógica que explica a falta de condicionadores de ar nos coletivos. Quem promoveu a licitação e quem ofereceu a prestação de serviço não fazem a menor ideia do que é pegar ônibus. Logo, nada mais natural que desconheçam as dificuldades de quem o faz.
    O desrespeito é geral. Se já não bastassem o calor, a superlotação, os espaços diminutos das catracas e assentos dos ônibus, a desqualificação dos motoristas e trocadores, a falta de acessibilidade para portadores de necessidades especiais, os atrasos, os assaltos, o alto custo da passagem, temos agora que lidar com a monocromia dos veículos. Inclue-se aí a troca de alguns números de linhas, o que dificulta um pouco mais a vida do candidato a passageiro.
    Acredito que os autores dessas façanhas tem em mente o seguinte: Por que facilitar se a gente pode complicar?

    Um abraço.

    • eliomar coelho disse:

      São mudanças que não fazem sentido…O que pode parecer avanço é modernidade mostra-se contraproducente, na prática…

      Abs,
      Eliomar

  2. Pingback: Boletim – Rio, 06 de março de 2011 | Eliomar Coelho – PSOL – O vereador do Rio

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>