Blog

Benefícios fiscais são bons! Para quem?

O Pacote Olímpico – proposta da prefeitura encaminhada para votação na Câmara dos Vereadores – estabelece concessão de incentivos fiscais e padrões urbanísticos especiais para hotéis que venham a ser erguidos por conta das Olimpíadas de 2016.

Devemos ressaltar que a demanda na área de construção civil na cidade já está aquecida. Segundo dados da secretaria municipal de Urbanismo, há 20 novos empreendimentos em processo de licenciamento junto a prefeitura que garantirão mais 4.300 leitos. A orla da Barra e Recreio ganhará 1.395 novos quartos em projetos que estão prestes a ser licenciados. E já foi anunciada a construção de dois hóteis na área livre do Shopping Nova América, em Del Castilho, que fica próxima ao Metrô.

A hora é de investir no Rio. Questiono a necessidade de incentivos fiscais, e especialmente de mudanças nos padrões urbanísticos, em uma cidade que é a bola da vez em termos de mega negócios. O que a prefeitura perderá em arrecadação deixará de ser gasto em políticas públicas em prol de todos os cidadãos. O benefício para poucos pode significar menos investimentos básicos e prioritários para muitos em educação, saúde e outros setores essenciais.

Publico, abaixo, artigo escrito por Ricardo Bravo, presidente do Sindicato Carioca dos Fiscais de Renda, publicado no JB Online. Na companhia de outros fiscais do Sincaf, Bravo reuniu-se comigo semana passada para analisar o Pacote Olímpico e suas implicações.

Benefícios fiscais são bons! Para quem?

“Fiscais de Rendas da Secretaria Municipal de Fazenda se dizem preocupados com a política adotada pelo órgão. Haja vista que benefícios fiscais estão sendo concedidos de forma aleatória e de maneira a favorecer determinados seguimentos da economia, em detrimento do conjunto da sociedade.

Os técnicos argumentam que os benefícios devem ser concedidos de forma justificada e não de maneira aleatória, conforme os interesses imediatos deste ou daquele governante, ou de determinados grupos econômicos. Lembram, ainda, que o produto da arrecadação é patrimônio do Estado e não do administrador de plantão.

Quando um determinado segmento é beneficiado, necessariamente uma pressão é exercida sobre os demais segmentos da sociedade.

A Lei de Responsabilidade Fiscal determina que um benefício somente pode ser concedido se forem apresentadas medidas compensatórias, ora aumentando a arrecadação, ora diminuindo despesas.

O montante que deixa de entrar nos cofres públicos deixará de ser gasto pela municipalidade em políticas públicas de interesse de todos os cidadãos. Ou seja, o benefício dado para poucos poderá significar a piora da qualidade de serviços essenciais, tais como a compra de merenda escolar, o atendimento na rede pública de saúde e educação, a compra de medicamentos etc.

Mais preocupante ainda é quando se percebe que estes benefícios não encontram qualquer justificativa. Não há como entender, por exemplo, por que conceder incentivos para construção de novos hotéis, quando os administradores alegam os enormes benefícios que serão trazidos pelos mega eventos esportivos que ocorrerão no município.

Conforme propagado pelos governantes, as Olimpíadas e a Copa do Mundo trarão grandes oportunidades de investimento, notadamente para o setor de turismo.

Então, como justificar a necessidade dos benefícios para construção desses novos empreendimentos? É natural que acreditemos que os empresários já estariam sendo beneficiados com os largos investimentos que serão efetuados pelos entes públicos, a custa de toda a sociedade, e com a demanda advinda dos próprios eventos.

Os construtores de hotéis deveriam pagar para construir em solo do Município, dada a oportunidade que a cidade está lhes oferecendo.

É bom lembrar que o dinheiro que deixará de ser arrecadado será concentrado em setores específicos da economia, além de não retornar em benefícios para o conjunto da sociedade. A sensação é a de que a sociedade está sendo enganada.

Os mesmos técnicos alegam não serem contrários a benefícios fiscais, desde que motivados e desde que concedidos conforme os limites impostos pela Constituição e pela Lei de Responsabilidade Fiscal.

Lembram, ainda, que as alíquotas do imposto municipal sobre serviços podem variar de 2% a 5%, e que leis que estipulam alíquotas inferiores a 2% são inconstitucionais, salvo estritas exceções. Os técnicos alegam que existem alternativas a esta política, uma delas seria acabar com todas as formas injustificadas de benefícios, concedidos, muitas das vezes, para setores privilegiados da economia. Uma dessas alternativas seria a criação de uma alíquota única para o imposto sobre serviços, menor que a alíquota de 5%, talvez uma alíquota entre 3% e 4%, conforme estudos que deveriam ser empreendidos pelos técnicos da Secretaria Municipal de Fazenda.

Desta maneira, a carga tributária seria distribuída de forma mais equânime entre os diversos setores da atividade econômica, acabando por vez com uma política que beneficia alguns em detrimento de todos.”

Esta entrada foi publicada em Blog, Esportes, Urbanismo. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>