Blog

BRT: colisões e mortes na vida real

BRT Transoeste: duas colisões em 10 horas, com cinco feridos (O Globo, 22/08)… Mulher morre atropelada em corredor de ônibus (Veja, 09/08)… Ônibus e caminhão colidem na Transoeste (O Globo, 08/08)… Mais um acidente na BRT (blog Sobre o Ambiente, 19/07)…Pedestre é atropelada na BRT Transoeste. (O Globo, 26/06)…Falta de sinalização na Transoeste para entrar na Ilha e Barra de Guaratiba confunde os motoristas (Portal de Guaratiba, 10/06)

Estas são apenas algumas manchetes que revelam o mau funcionamento do BRT Transoeste. Desde a inaguração, no dia 06 de junho, já morreram quatro pessoas atropeladas na via expressa. A distância entre as faixas de pedestre é uma das maiores queixas de quem tem que atravessar a BRT. Alunos do Colégio Estadual Vicente Januzzi fizeram manifestação na semana passada em protesto contra a morte de Felipe Carneiro de Freitas, 17 anos, atropelado no BRT. Eles reivindicam a construção de passarelas.

Por mais que os pedestres atropelados não tenham seguido a regra de cruzar a faixa, o Poder Público não pode se eximir de responsabilidade pelas mortes e colisões no BRT Transoeste. Falhas na sinalização, falta de planejamento quanto ao sistema de travessias, superlotação nas estações de Santa Cruz e Alvorada e também nos coletivos são problemas evidentes.

As mortes e a bagunça do BRT Transoeste são frutos da falta de planejamento, do atropelo e açodamento em questões básicas da boa prática de execução de obras públicas. O Licenciamento Ambiental da Transoeste é criminoso. Esta obra de mais de 52km, incluindo um túnel e centenas de famílias removidas da pior forma possível, foi feita sem sequer um EIA/Rima – Estudo de Impacto Ambiental. Fizeram uma “gambiarra” num processo de licenciamento que já havia caducado no Inea (Instituto Estadual do Ambiente) para conceder a licença de instalação.

Além disso, no caso da Transcarioca. o TCM tem lançado diversos alertas acerca de alterações no projeto básico e no próprio projeto Executivo já com a obra em curso, levando a gastos públicos sem controle e a impactos impossíveis de se avaliar.

E vem mais por aí. Estamos de olho no processo de Licenciamento Ambiental da Transolímpica e as informações são assustadoras: primeiro, a prefeitura licitou a obra antes mesmo de ter o licenciamento ambiental. Depois, foi feita a licitação do Estudo de Impacto Ambiental e a empresa vencedora entregou seu “produto” em menos de um mês. Existe razoabilidade nisso? Estamos perguntando ao Inea e ao Ministério Público.

Não interessa à população ouvir o prefeito tecer loas ao Bus Rapid Transit no programa eleitoral se, na prática, está assistindo uma operação precária na Transoeste que coloca em risco a vida da vizinhança do BRT.

A pressa é inimiga da perfeição. Eleições à vista não justificam a correria para inaugurar um sistema que precisava de ajustes ou que foi mal planejado às pressas. Em se tratando de transporte (que envolve a vida de pessoas), o prefeito não pode se dar ao luxo de inaugurar um BRT na base da tentativa-erro, tentativa-acerto. Os erros já custaram vidas.

Esta entrada foi publicada em Blog. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Uma resposta a BRT: colisões e mortes na vida real

  1. Pingback: Inaugurado às pressas, BRT têm mortes, falhas no projeto e superlotação | Eliomar Coelho - PSOL - O vereador do Rio

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>