Rio - 2 de julho de 2014

Chamado à militância


As bandeiras amarelas do PSOL vão colorir a orla. No próximo domingo tem caminhada do Partido Socialismo e Liberdade em Copacabana. A concentração é no Posto 6. Anote na agenda!
Dia: domingo, 06/07
Hora: 10h
Concentração: Avenida Atlântica, Posto 6, em Copacabana

E a CPI?

Para enfrentar a máfia dos empresários de ônibus, Eliomar conseguiu, há um ano, instalar a CPI dos Ônibus na Câmara Rio. O mandato reuniu extenso material que aponta a cartelização do sistema de transportes na cidade. A intenção era abrir a caixa-preta das empresas para obter transparência sobre o valor das tarifas e investigar o setor. Foi grande a mobilização da sociedade civil que apoiou a CPI mas protestou contra sua composição formada apenas por vereadores da base do prefeito. A CPI dos Ônibus segue suspensa porque a Justiça acatou recurso da bancada de oposição na Câmara que arguiu falta de proporcionalidade na comissão, falta de representação da minoria no Legislativo. “Não é possível que uma bancada que tem 47% dos vereadores, indique 100% dos membros proporcionais de uma comissão. Ainda mais membros que foram contra a instalação da comissão”, afirma Eliomar – vereador que requereu a instalação da CPI. No último dia 12/03, a 13ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça confirmou a liminar mas o mérito ainda não foi julgado. Neste um ano sem CPI, o usuário enfrentou mais um aumento injustificado de tarifa e continua vulnerável a um serviço caro que não oferece segurança, conforto e pontualidade.

Sobre a CPI


“Pedi a instalação da CPI dos Ônibus para verificar como era operado o fluxo financeiro das empresas de ônibus e a fiscalização do prefeito sobre os serviços prestados pelas empresas de ônibus da cidade do Rio de Janeiro; para apurar a farsa da licitação de linhas em 2010 e a cartelização do setor. A CPI foi instalada a duras penas. E assim mesmo a turma do governo se reuniu e tomou a CPI para eles”, relembra Eliomar em vídeo.

Corte arbitrário
Decisão arbitrária, autoritária e injusta. Há professores do município que receberam R$ 22,17 de salário salário integral de R$1.995,60, em função do corte do ponto. A greve é um direito dos trabalhadores e o Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação (Sepe) pedirá intervenção da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) para reverter o desconto nos salários dos grevistas. Sem maiores explicações, a secretária municipal de Educação suspendeu uma reunião marcada com nosso mandato para a última sexta-feira (27/06) cuja pauta era a situação dos grevistas. Vamos cobrar, da prefeitura, a devolução do dinheiro descontado e a suspensão dos processos de demissão.

RIO ANTIGO

A pergunta que não quer calar: quando Santa Teresa terá os bondes de volta? Enquanto continua, a passos lentos, a reforma dos trilhos, vale ver o registro do primeiríssimo bonde a circular no Brasil – e em toda a América Latina – exatamente na cidade do Rio de Janeiro. Viaje no tempo