Notícias

Crueldade com quem trabalha na ponta da pandemia

Bolsonaro sancionou hoje a lei de socorro emergencial aos estados e municípios, mas, pra variar, retirou partes importantes do texto. Por exemplo, ao vetar uma parte da proposta aprovada no Congresso, o presidente proíbe que estados e municípios possam reajustar até 31 de dezembro de 2021 — mesmo que só pelo valor da inflação — salários daqueles que prestam serviços funerários e de perícia, profissionais de educação, assistentes sociais e servidores da saúde, ou seja, de trabalhadores essenciais e que estão arriscando suas vidas durante o enfrentamento da epidemia.

Pela lei, servidores do nosso estado, que já estão há seis anos com salário congelado, como é o caso dos profissionais da educação, entre outras categorias, vão amargar mais um ano e meio sem a perspectiva de qualquer correção.

Bolsonaro, no fundo, demonstra o mesmo desprezo pelos servidores que Witzel, seu aliado até outro dia.

Esta notícia está também no Facebook do Eliomar

Esta entrada foi publicada em Notícias, Politica, Política Nacional, Saúde. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>