Rio - 14 de outubro de 2015

Dia do Professor: nada a comemorar!

No mês em que se comemora o Dia do Professor, não encontro outra expressão para marcar a data: Frustração! Porque neste momento não há o que comemorar.

Se, por um lado a educação é fundamental para o desenvolvimento social e crescimento econômico para qualquer região do planeta, no nosso estado, ao contrário, a precariedade dos recursos dispensados à educação representa um dos principais entraves ao seu desenvolvimento. Essa triste realidade resulta do descaso histórico que os professores têm sido relegados. “Uma realidade” que necessita de mudanças urgentes: sem remuneração compatível com a sua importância, sem motivação e com baixa autoestima nossos professores jamais conseguirão reverter o quadro da educação pública fluminense.

A valorização do profissional e os investimentos em educação aparecem em todos os discursos como “compromisso de campanha”. Com o governador Pezão, não foi diferente, e hoje se representa pelo risível índice de “0%” de aumento para a categoria dos trabalhadores do magistério. Leia mais

Escola Martins Penna é Patrimônio Imaterial

A Alerj aprovou projeto de lei de autoria da Comissão de Cultura, da qual nosso mandato faz parte, que declara a Escola Técnica Estadual de Teatro Martins Penna “Patrimônio Imaterial do Estado do Rio de Janeiro”. O projeto volta à pauta para ser analisado em segunda discussão. Depois, segue para sanção do governador. 

Este processo teve início quando nosso mandato foi procurado por alunos, professores e funcionários da Martins Penna. A partir daí, fizemos uma visita técnica à escola, quando constatamos o estado de sucateamento daquela instituição.  Leia mais

A gente quer arte popular no metrô e nos trens

Foto Octacílio Albuquerque

Nosso mandato fez um apelo para que, enquanto o projeto de lei não seja votado na Alerj, o Metrô Rio pare imediatamente com as perseguições aos artistas populares dentro dos vagões e nas estações, além de agressões, injustificáveis. O pedido foi feito durante audiência pública realizada na Comissão de Cultura da Casa, da qual Eliomar é membro, e contou com a presença de artistas e representantes do governo do estado e das concessionárias Metrô Rio e SuperVia.

Para nós, ficou claro na audiência pública que o objetivo da secretaria de Transportes e dos diretores do Metrô Rio e da SuperVia é proibir e reprimir as manifestações culturais nos vagões. Leia mais

Eliomar homenageia Orlando Silva

Foto Cicero Rodrigues

Eliomar preside na Alerj a homenagem ao “cantor das multidões”, Orlando Silva, no ano de seu centenário. Membro da Comissão de Cultura da Casa e autor da proposta, Eliomar entregou a Medalha Tiradentes “Post Mortem” e diploma a Doracy Souza Franco, único parente vivo do cantor (cunhado). Entre os componentes da mesa, o sambista Monarco (ao microfone).

RIO ANTIGO

A Rua das Marrecas fica a um quarteirão da Lapa e da Cinelândia, no centro da cidade. Perto dali, no Passeio Público, foi inaugurado em 1785 um chafariz com marrecas, que jorravam água pelo bico de suas penas. O conjunto, que tinha nas laterais duas estátuas (Ninfa e e Narciso), passou a ser chamado de Chafariz das Marrecas, e a rua em frente ganhou o nome das aves. Foto de Augusto Malta de 1929. Viaje no tempo