Rio - 1 de julho de 2015

Eliomar no ‘Proteste Já’ do CQC

Participamos do quadro “Proteste Já”, do programa CQC, na TV Band, que abordou a questão do bondinho de Santa Teresa; o absurdo dos valores e dos atrasos da obra. 

Só de aditivos, foram R$ 30 milhões, sem contar o valor inicial de R$ 40,5 milhões. 

Lembramos também a importância dos bondes para a questão do patrimônio. 

O repórter Juliano Dip entrevistou moradores, comerciantes e especialistas, e o governador Pezão, que, claro, estava numa reunião com empresários. Assista na íntegra a matéria

 

Aconteceu na Alerj

Foto Cicero Rodrigues

Escolas Martins Pena e Villa-Lobos incluídas na Lei da Cultura. 

A bancada do PSOL conseguiu aprovar emendas importantes no projeto que cria o Sistema Estadual de Cultura. 

Defendemos no plenário a emenda que trata de ampliar o ensino, o financiamento, a autonomia e a produção cultural da Escola Técnica Estadual de Teatro Martins Pena, da Escola de Música Villa-Lobos e de outras escolas estaduais de arte. 

Outra emenda importante que a nossa bancada aprovou veda a concessão de benefício fiscal a empresas patrocinadoras de projetos que incentivam a intolerância, o ódio racial ou religioso, a discriminação de qualquer tipo, em especial a de gênero e de LGBT.

Curta os vídeos no www.facebook.com/eliomarcoelho

 

Cadê os patrocinadores olímpicos?

A bancada do PSOL votou contra o PL 158/2015, que concede benefícios para empresas que invistam nas Olimpíadas. Trata-se de mais um projeto de caráter econômico enviado às pressas pelo governador Pezão.

Entendemos que os grandes patrocinadores privados podem e têm função de viabilizar, SIM, a realização dos projetos olímpicos necessários ao “aprimoramento e sucesso do evento”. Ao que se dá a entender, o projeto de lei é para dar conta de despesas correntes para a realização dos eventos-teste e financiar outros projetos que não foram anunciados.

Ora, o Bradesco e a Nissan, patrocinadores oficiais, obtiveram lucro de R$ 15 bilhões e R$ 10 bilhões, em 2014, respectivamente.

A Ambev, que também apoia as Olimpíadas, com a Skol, lucrou R$ 12 bilhões no ano passado.

Ao Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos, compete atingir as receitas próprias necessárias, para além dos incentivos públicos que já somam dezenas de bilhões de reais.

 

Autonomia pedagógica nas escolas

Ficamos felizes em saber que a Câmara de Vereadores acaba de aprovar o PL 99/2013, de autoria de nosso mandato em conjunto com Renato Cinco e Paulo Pinheiro, que trata da utilização de material didático-pedagógico na rede municipal de ensino. 

O nosso projeto diz que é vedada a utilização de qualquer material didático-pedagógico sem a concordância do Conselho de Professores no âmbito da Secretaria Municipal de Educação – SME. Entende-se por material didático-pedagógico: livros; apostilas; cartilhas e jogos. 

Apresentamos o projeto na época da polêmica sobre o jogo Banco Imobiliário Olímpico, que teve 20.000 exemplares comprados pela secretaria de Educação e custou R$ 1 milhão, pagos com verbas do Fundeb. O jogo é totalmente deseducador, além de configurar campanha da atual gestão da prefeitura. 

Esperamos que prevaleça o bom senso e o alcaide Eduardo Paes sancione o projeto.

 

Pelo transporte gratuito para estudantes

Nosso mandato apresentou um Projeto de Lei que propõe a regulamentação da emissão de cartões eletrônicos para estudantes das unidades de ensino estaduais, universitários, alunos com deficiência, alunos de cursos pré-vestibulares, cursos técnicos e profissionalizantes.

O PL teve como ponto de partida um sem-número de reclamações de usuários de transporte público que nos chegam todos os meses. Dentre os motivos das queixas, está o atraso de mais de quatro meses na entrega do cartão de gratuidade após o início do período letivo, e, muitas vezes, a não oferta de gratuidade do transporte escolar. Essas dificuldades enfrentadas pelos estudantes são forte fator da evasão escolar. Leia mais

 

SOS Educação de São Gonçalo

Participamos de uma Audiência Pública para discutir a situação dos profissionais de educação que continuam em greve, em São Gonçalo. No país que se pretende “Pátria Educadora”, é inadmissível e injustificável que um município como São Gonçalo, com receita entre as maiores do Estado do Rio de Janeiro, os profissionais de educação ainda não recebam, ao menos, o Piso Mínimo Nacional do Magistério. Muitos professores e merendeiras recebem, líquidos, vencimentos inferiores ao salário mínimo, além de outras irregularidades, como a péssima qualidade da merenda escolar e a compra de materiais didáticos sem licitação. 

No país que se pretende “Pátria Educadora”, é inadmissível e injustificável que um município como São Gonçalo, com receita entre as maiores do Estado do Rio de Janeiro, os profissionais de educação ainda não recebam, ao menos, o Piso Mínimo Nacional do Magistério. Muitos professores e merendeiras recebem, líquidos, vencimentos inferiores ao salário mínimo, além de outras irregularidades, como a péssima qualidade da merenda escolar e a compra de materiais didáticos sem licitação. Leia mais

 

Ao lado da Aldeia do Imbuhy

Saudamos no plenário da Alerj a presença dos moradores da Aldeia do Imbuhy, que estão sendo arbitrariamente removidos do local onde suas famílias vivem há mais de 100 anos! As bancadas federal, estadual e municipal do PSOL de Niterói estão na luta ao lado dessas famílias.

 

RIO ANTIGO

A primeira escalada ao Pão de Açúcar foi realizada por uma mulher, em 1817. A autora da proeza foi Henrietta Carstairs, inglesa de 39 anos, que fincou a bandeira de seu país no cume. O penhasco carioca tem cerca de 600 milhões de anos. Viaje no tempo