Rio - 17 de março de 2011

Encontro de parlamentares do PSOL no Buraco do Lume

Com o reforço de mais dois parlamentares, a bancada do PSOL/RJ que representa a cidade e o estado do Rio de Janeiro se reunirá amanhã, dia 18 de março, no Buraco do Lume, Centro do Rio. Portanto, o retorno às atividades legislativas tem fôlego novo e ânimo reforçado, respaldado por uma votação vitoriosa. Neste encontro marcado, estarão, no Lume, os deputados federais Chico Alencar e Jean Wyllys, o deputado estadual Marcelo Freixo e a deputada estadual Janira Rocha e o vereador Eliomar Coelho. Todos lá!

Vamos preservar o Cais da Imperatriz na Zona Portuária
Na companhia de assessores e da arquiteta Marcia Wajsenzon, do forúm comunitário em defesa da área do Porto, Eliomar Coelho fez uma vistoria às escavações para instalação da galeria pluvial, na Avenida Barão de Tefé, parte das obras do Porto Maravilha, que revelaram vestígios da estrutura do antigo Cais da Imperatriz. Projetado pelo arquiteto francês Grandjean de Montigny, em 1843, o atracadouro foi construído para receber a Imperatriz Teresa Cristina. O temor de historiadores, arqueólogos, arquitetos e urbanistas é que a revitalização da área acabe por destruir o que ainda resta da construção histórica. Professora de Pós-Graduação da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da UFRJ, Margareth da Silva Pereira prega a reconstituição da Praça Municipal ao lado do cais. Segundo ela, “é uma obra de grande erudição e domínio de escalas, emblema das lutas municipalistas do século XIX.”
O artigo “Novo nome para antigas ideias”, do arquiteto e urbanista Roberto Anderson Magalhães, faz uma análise crítica do projeto Porto Maravilha.

Protesto contra megaeventos
Marcado para o próximo dia 25 de março, às 16h, uma passeata da Candelária até a Cinelândia pretende denunciar os desmandos e abusos que vem sendo cometidos em nome dos megaeventos, em especial a Copa do Mundo e as Olimpíadas, incluindo a política de remoções. Quem organiza o ato público é o Comitê Rio Copa/Olimpíadas.

Modelo retrógrado
Artigo sobre megaeventos escrito por Eliomar Coelho e Luiz Mário Behnken, economista e coordenador da Rede de Megaeventos Esportivos, publicado no jornal O Globo.

“O Rio de Janeiro vive hoje em êxtase diante da perspectiva de sediar megaeventos esportivos. Ainda este ano a cidade vai receber os Jogos Mundiais Militares. Em 2013 será a vez da Copa das Confederações, como prévia da Copa do Mundo, programada para o ano seguinte no Maracanã; e para fechar o calendário esportivo, as Olímpiadas vão reunir milhares de atletas do mundo inteiro, em 2016.
Entretanto, a euforia não deve ser empecilho para o aprendizado com os erros do passado. Não podemos nos permitir, mais uma vez, ficar com a história da conquista de uma terrível medalha, a da desigualdade, como aconteceu nos Jogos Pan/2007.”
Leia o artigo na íntegra

Fim da sauna nas salas de aula
Os estudantes do colégio Pedro II fizeram uma grande manifestação para protestar contra o calor excessivo nas salas de aula, um problema também para grande parte dos alunos da rede municipal que não contam com refrigeração de ar. Para garantir condições confortáveis e dignas para alunos e professores do município, o projeto de lei nº 821/2011 determina que a temperatura nas salas deve ser mantida entre 20º e 23º. O mandato é co-autor da proposta que visa assegurar ambiente propício para o desempenho de atividades intelectuais. Em uma cidade com Verão de 40º, o controle da temperatura não é luxo. É necessidade básica.
Veja vídeo da manifestação de alunos do Pedro II

Seis meses de licença-maternidade para funcionárias do município
Está na Ordem do Dia, do Legislativo, o projeto de lei complementar nº 16/2009, proposto pelo mandato Eliomar Coelho, que dá o direito à seis meses de licença-maternidade para as funcionárias do município. Três estados já adotaram esta medida, inclusive o Rio de Janeiro. Proposta similar do deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL) foi aprovada na Alerj. O projeto visa regulamentar a licença e corrigir uma incongruência já que o governo federal aprovou este benefício para todas as trabalhadoras brasileiras e pelo menos 38 municípios ampliaram o tempo da licença-maternidade.

Qual a origem das armas?
A CPI das Armas, instaurada esta semana na Alerj, pretende levantar de onde vem e quem está por trás do desvio de armas, munições e explosivos que chegam às mãos de traficantes, milicianos e outras organizações criminosas. A comissão já requisitou a relação de armamento apreendido na Operação Guilhotina da Polícia Federal a fim de localizar a origem das armas. Segundo o presidente da comissão, o deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL), a CPI ouvirá, na próxima segunda feira, o pesquisador do Viva Rio, Antônio Rangel, que concluiu pesquisa sobre tráfico de armas e munição.

Março é o mês da mulher
Heloisa Helena
“Dia Internacional da Mulher… são muitas histórias para explicar o surgimento da data…das mulheres socialistas nas ruas do leste às lutadoras operárias americanas tecelãs de tecido lilás! As histórias de agora também são muitas… parecem mesmo aquela que Galeano contava de uma antiga mulher de imensa saia cheia de bolsinhos, em cada um deles papeizinhos que ao serem retirados ressuscitavam esquecidos e mortos e todas as andanças do bicho humano.”
Leia o artigo na íntegra no site da Fundação Lauro Campos

Movimento na rede
O Movimento Unificado em Defesa do Serviço Público Municipal agora tem blog oficial. Saiba tudo sobre a história do MUDSPM e sobre a luta contra as mudanças no regime previdenciário acessando o blog deste fórum em defesa do servidor municipal.

E mais no blog do Eliomar

Opine: carnaval de rua
O carnaval acabou mas o assunto continua vivo. A organização do carnaval de rua já é motivo de discussão entre a prefeitura e a secretaria municipal de Turismo. Fundadores e diretores de blocos também precisam ter voz neste debate. Afinal, o carnaval de rua é do povo. A multiplicação no número de blocos e o gigantismo inesperado de algumas agremiações provocaram queixas de moradores, especialmente na Zona Sul do Rio. Este ano, a prefeitura autorizou a saída de 424 blocos em toda a cidade, número que alguns consideram excessivo. Para 2012, já se fala em redistribuir os blocos. Importante considerar a identificação dos blocos com a história do bairro onde surgiram. O grande desafio agora é como melhor organizar o carnaval sem interferir justamente no perfil livre, espontâneo e liberal da festa. E você? O que acha? O número de blocos na Zona Sul deve ser reduzido? Como evitar o caos e os nós no trânsito?
Opine

E na seção Rio Antigo
Foto do antigo Cais da Imperatriz e da Praça Municipal, na Zona Portuária.
Veja e comente