Rio - 22 de maio de 2013

Engenhão em debate


Quem merece batizar o Engenhão? O debate “Sai João Havelange. Entra João Saldanha. Quem merece esta homenagem?” discutirá, na próxima segunda-feira (27/05), às 18h, no plenário da Câmara Municipal, o projeto de lei que propõe trocar o nome do Engenhão para Estádio Olímpico Municipal João Saldanha. A proposta é dos vereadores Eliomar Coelho, Paulo Pinheiro e Renato Cinco (PSOL/RJ), que organizam a mesa-redonda. Participarão Afonsinho, Nelson Rodrigues Filho, Luiz Antonio Simas, o Comitê Popular Rio Copa e Olimpíadas e a Frente Nacional dos Torcedores. O prefeito e o secretário municipal de Esportes e Lazer também foram convidados. Na ocasião, haverá uma homenagem a João Saldanha com entrega de Moção para sua família.
Dia: segunda, 27/05
Hora: 18h
Local: plenário da Câmara Municipal

Investigação necessária
O mandato reafirma a necessidade de se investigar o convênio da secretaria municipal de Educação com a Rio Ônibus e vai apresentar ação popular questionando a legalidade da despesa. O convênio já consumiu R$153 milhões de recursos educacionais. Denunciamos o polêmico acordo financeiro, em 2011, ao Ministério Público e ao Tribunal de Contas. Apesar do alerta do TCM, o prefeito não apenas não apresentou as contas como prorrogou o convênio para os anos seguintes, reservando mais R$ 55 milhões para cada ano. Estamos solicitando ao TCM que se instaure diligência para auditar os termos do convênio e sua execução. Leia mais

O Dossiê e a tese
O Comitê Popular Rio Copa e Olimpíadas lançou a segunda versão do “Dossiê Megaeventos e Direitos Humanos no Rio de Janeiro 2013”. O relatório traz informações atualizadas e conclui que os impactos das intervenções urbanas envolvem processos de exclusão social que distanciam a cidade da integração social. “As informações disponíveis possibilitam estimar gastos da ordem de um bilhão de reais com as desapropriações, apenas para a implantação dos BRTs – Bus Rapid Transit”, afirma o relatório. O impacto dos megaventos na cidade foi pesquisado com profundidade na tese de doutorado “O Poder e os jogos do Poder – os interesses em campo na produção de uma cidade para o espetáculo esportivo” da acadêmica Nelma Gusmão, que ganhou o prêmio ANPUR 2013 (Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Planejamento Urbano e Regional.

E segue a licitação irregular…
O Ministério Público tentou barrar a licitação do Maracanã através de ação civil pública e chegou a obter liminar que suspendeu o processo. A juíza Gisele Guida de Faria, da 9ª Vara de Fazenda Pública viu “ilegalidades” no processo. A despeito disso, o Tribunal de Justiça garantiu, nesta segunda-feira (20/05), a privatização do Maracanã com a derrubada da liminar. Privilégio das empresas licitadas, descompasso entre investimento público e remuneração privada e o prejuízo dos atletas, que perderão centros de treinamento com a demolição do Complexo Esportivo do estádio, motivaram a ação do MP. Em entrevista à Agência Pública, o promotor Eduardo Santos Carvalho, da 8ª Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva de Defesa da Cidadania da Capital, explicou aonde o MP detectou irregularidades. Leia mais

A defesa do óbvio
Paulo Passarinho
“Outro dia desses, vi uma postagem em uma rede social da internet com a seguinte frase: “Que tempos são estes, em que temos que defender o óbvio?”. A frase era atribuída ao dramaturgo e poeta alemão Bertolt Brecht, também um conhecido frasista. Não tenho a menor certeza da autoria mencionada, mas de fato é muito penoso viver em um tempo onde o que deveria ser o óbvio, passa a ser visto como complexo ou inviável, ou até mesmo desconsiderado.” Leia o artigo na íntegra

Registro social

A foto do brasileiro Felipe Dana, que fotografa para a Associated Press, transmite toda a dor e desamparo de Natalia, dependente de crack que mora na favela de Manguinhos. O trabalho ganhou menção honrosa no World Press Photo 2013. A imagem está entre os 154 registros que compõem a mostra, em cartaz até o dia 23 de junho na Caixa Cultural Rio de Janeiro. A exposição exibe material de 54 fotográfos de 32 nacionalidades que focalizaram temas como política, economia, esportes, cultura e natureza. A Caixa Cultural fica na Avenida Almirante Barroso, 25, no Centro.

A reinvenção do trabalho escravo
Lenardo Sakamato
“A cada ano, milhares de trabalhadores pobres são recrutados para trabalhar em fazendas, carvoarias, canteiros de obras e oficinas de costura e, posteriormente, submetidos a condições degradantes de serviço ou impedidos de romper a relação com o empregador. Não raro, permanecem sem poder se desligar do empregador até que terminem a tarefa para a qual foram aliciados, sob ameaças que vão de torturas psicológicas a espancamentos e assassinatos. No Brasil, essa forma de exploração é chamada de trabalho análogo ao de escravo, escravidão contemporânea ou nova escravidão, prevista como crime no Código Penal (artigo 149), com pena de dois a oito anos de reclusão.” Leia o artigo na íntegra.

RIO ANTIGO
A Igreja de São Conrado, inagurada em 1916, dominava a paisagem da Avenida Niemeyer, época em que foi feito este registro. Foi o engenheiro Conrado Jacob de Niemeyer quem conseguiu a abertura da avenida, que liga a região ao bairro do Leblon, o que viabilizou construção da igrejinha, erguida entre 1903 e 1916. O bairro, que se chamava Praia da Gávea, mudou de nome por causa do santo. Viaje no tempo