Notícias

Extinção de turmas especiais para portadores de deficiência atinge também rede municipal de ensino


Não há nenhuma justificativa possível para o MEC cogitar o fechamento do Colégio de Aplicação do Instituto Nacional de Surdos (Ines), em Laranjeiras, e do serviço fundamental para deficientes visuais do Instituto Benjamim Constant, na Urca. As duas instituições atendem à cerca de 800 alunos que cursam do maternal ao ensino médio. A intenção do ministério é transferí-los para redes de ensino do estado e do município.

Infelizmente, este processo torto de inclusão já vem acontecendo dentro das escolas da rede municipal desde 2009. Pelo menos 120 classes especiais foram extintas. Há casos de alunos com idade cronológica de 20 anos e idade mental de 10, o que derruba, por completo, critérios como faixa etária. Como incluir, por exemplo, crianças surdas em turmas de alunos ouvintes se elas não podem compartilhar a linguística?

Nas turmas especiais que sobrevivem nas escolas da rede, o atendimento segue método de trabalho diferenciado com auxílio de equipe multidisciplinar. A infraestrutura pode nem sempre ser a mais adequada mas o resultado final tem provado que este é o caminho. A integração à sociedade é calcada no respeito às limitações de cada criança.

Porque sabem da importância destas turmas, pais de portadores de necessidades especiais estão mobilizados, reclamando e denunciando o desmantelando deste serviço. E tem o apoio do nosso mandato. A resistência, lamentavelmente, não serviu de freio às mudanças impostas pela secretaria municipal de Educação.

A política de inclusão de alunos com necessidades especiais nas escolas municipais e estaduais não vem sendo questionada apenas por pais e professores. A Comissão de Educação da Câmara, em Brasília, pretende ouvir, na próxima semana, o ministro Fernando Hadad sobre o que se passa no Ines e no IBC. A inclusão que o município já adota, e que o MEC quer aplicar aos alunos destes institutos, fere parecer do próprio ministério que determina atendimento educacional especializado às pessoas portadoras de deficiência. É isto também que dita a Convenção Internacional sobre os Direitos da Pessoa com Deficiência, a Constituição Federal do Brasil e a Lei de Diretrizes e Bases da Educação.

Esta entrada foi publicada em Educação, Matéria com Língua de Sinais, Notícias e marcada com a tag , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

2 respostas a Extinção de turmas especiais para portadores de deficiência atinge também rede municipal de ensino

  1. Saudações

    Sem dúvida, total absurdo a proposta de fechamento do INES e do Instituto Benjamin Constant.
    Falar em Educação Inclusiva é até redundante, pois toda educação deve ser inclusiva. No entanto, falamos aqui de uma conquista social que deve ser respeitada e implementada para que, no futuro, tenhamos profissionais formados adequadamente para oferecer o máximo a todos.
    Para tanto, há obstáculos que o próprio Poder Público impõe. Por que a formação dos futuros professores não contempla o ensino dos meios de comunicação com os surdos e cegos, tais como LIBRAS e BRAILLE, por exemplo? Sem professores qualificados fica muito difícil promover a inclusão de qualquer um, especialmente de fato, das crianças que não ouvem ou não enxergam.
    O mais perverso é perceber que há grupos mal-intencionados em cargos estratégicos que tudo fazem para manter a população na ignorância.
    O pior nisso tudo é que fingem promover ações de educação inclusiva, mas não dão nenhuma condição para que o educador e o educando consigam avançar. Por não oferecerem as condições adequadas, reforçam o preconceito daqueles que veem a educação inclusiva como atraso e prejuízo para as crianças que não são portadoras de deficiências.
    Não precisamos de escolas fechadas, precisamos de mais escolas adaptadas para todo o tipo de gente, com professores bem formados, qualificados e bem remunerados. A Educação precisa ser prioridade nesse país.
    Fica a pergunta: A quem interessa fechar essas importantes escolas?

    A luta continua.
    Um abraço.

  2. eliomar coelho disse:

    Cara Patrícia,

    Concordo totalmente com suas ponderações. Justamente porque a política de inclusão não garante a preparação dos educadores é que propusemos projeto de lei que estabele critérios neste processo.

    Abs,
    Eliomar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>