Blog

Falta de previsão, planejamento e obras

As chuvas de março chegaram em abril. Ontem, desabou sobre a cidade um temporal – o terceiro mais intenso desde 1997 – e os transtornos foram o de sempre.

Mesmo sem um treinamento junto aos moradores das comunidades onde foram instaladas sirenes de alerta contra chuvas de alta intensidade, o alarme que soou nas 11 favelas com áreas de risco serviu para evitar mais tragédias. No entanto, ficou evidente que é preciso treinar a população vulnerável. Algumas famílias, pela falta de hábito, não deixaram suas casas.

Fato é que continuamos à mercê do tempo. O radar metereológico americano, importado pela prefeitura ao custo de R$ 2,5 milhões, só detectou a tempestade poucos minutos antes. A promessa do aparelho de última geração era uma previsão precisa quatro horas antes da chuva chegar.

O que me espanta nesta crônica anunciada é o desprezo sobre as condições climáticas que já anunciavam a possibilidade de temporal. No domingo, tanto Climatempo como Inmet já tinham soltado boletim com aviso de chuvas fortes no Rio, Niterói e Baixada Fluminense.

É de causar espanto, também, a falta de comunicação entre o Semerj (Sistema de Meteorologia do Estado) e a prefeitura. O órgão emitiu alerta de chuva forte, ontem, às 18h, mas não repassou a informação ao âmbito municipal.

E de nada adiantarão as previsões se as autoridades não resolverem as questões estruturais e o problema de escoamento das águas dos rios, que tornam boa parte da cidade refém das enchentes. A Praça da Bandeira, por exemplo, sofre alagamentos desde 1920. Até quando?

Esta entrada foi publicada em Blog e marcada com a tag . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

2 respostas a Falta de previsão, planejamento e obras

  1. Saudações

    É vergonhoso gastar tanto dinheiro e a cidade continuar à mercê das variações meteorológicas.
    Para a virada do ano, apesar de ter criticado César Maia, o prefeito Eduardo Paes contratou a ONG do Cacique Cobra Coral para fazer previsões. E agora, nem a tecnologia está dando conta, o que faremos?
    A culpa sempre é da natureza que “faz chover” demais.
    Incompetência ou irresponsabilidade, o que importa é que os responsáveis não estão nem aí para a população.

    Um abraço.

    • eliomar coelho disse:

      Patrícia,

      O mais triste é que, incompetência ou irresponsabilidade, a razão da permanência de um problema secular tem uma única consequência: quem paga é sempre a população.
      Abs,
      Eliomar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>