Rio - 23 de outubro de 2013

Lei de Uso e Ocupação do Solo em debate


No Dia Mundial do Urbanismo, 08/11, a LUOS (Lei de Uso Ocupação do Solo) será tema de debate, a partir das 14h, no Sindicato dos Engenheiros com a participação do vereador Eliomar Coelho e de professores da UFRJ, UFF, USP e do Instituto de Pesquisas em Infraestrutura Verde e Ecologia Urbana (Inverde). Uma cidade para todos é uma cidade planejada respeitando-se as características, as reinvindicações e as vontades de cada bairro e comunidade. A Lei de Uso e Ocupação do Solo – um capítulo no Plano Diretor Decenal do Rio de Janeiro – é um instrumento que permite simplificar normas vigentes e criar uma única legislação com o objetivo de regularizar a utilização do solo urbano. Mas, para que seja justa e atenda as necessidades de cada localidade, demanda ações de controle e de planejamento. A nova redação de importantes leis urbanísticas do munícipio, entre elas o Plano Diretor, levou o Senge a organizar o debate para aprofundar a discussão de um tema que preocupa movimentos sociais e acadêmicos, e interfere diretamente na vida do cidadão. Veja a programação
Dia: sexta-feira, 08/11
Hora: 14h
Local: Av. Rio Branco 277, 17º andar – Centro

Erro estratégico
“O leilão (da Libra) foi um erro estratégico, pois junta num mesmo consórcio interesses antagônicos. Os chineses, assim como os norte-americanos, representam os interesses dos consumidores. Trabalham pelo menor preço possível do petróleo. Ao Brasil, não interessa uma produção acelerada que contribua para derrubar os preços, como está escrito na estratégia oficial de energia dos Estados Unidos.” A avaliação é de Ildo Sauer, professor do Instituto de Energia e Ambiente da USP e ex-diretor de Gás e Energia da Petrobras. Sauer e o advogado Fábio Konder Comparato protocolaram na Justiça Federal, em São Paulo, uma ação popular contra o leilão do campo brasileiro. Leia mais E veja 10 mentiras e verdades sobre o Leilão da Libra.

Repúdio às prisões
“O Rio de Janeiro passou nesta terça, 15 de outubro, por mais uma mobilização em apoio aos profissionais da educação. O ato em defesa da educação pública, marcado para o dia do professor, reuniu dezenas de milhares de pessoas. No final da passeata, na Cinelândia, quando ainda restavam cerca de cinco mil manifestantes, iniciou-se um grave ataque por parte da polícia. Grande parte das pessoas foi atingida de surpresa pelas bombas de gás lacrimogêneo e demais armamentos. As forças de repressão do Estado agiram com violência e arbitrariedade contra os/as manifestantes, de forma absolutamente desproporcional.” Leia nota na íntegra

Ato na Zona Portuária

Por causa do fechamento dos Colégio Vicente Licínio Cardoso e Benjamin Constant e da ameaça de remoção de famílias que moram no Morro da Providência, moradores da Zona Portuária fazem manifestação amanhã (24/10), partindo do Largo do Cruzeiro, às 17h. O objetivo é denunciar também a situação das Ocupações Quilombo das Guerreiras e Chiquinha Gonzaga, onde obras de urbanização vêm sendo boicotadas pelo estado. O artigo “Ditadura civil-militar: estigma e restrições ao debate sobre a cidade 1969/1973)”, do historiador Mário Sergio Brum, joga uma luz sobre as remoções como uma estratégia política imposta a moradores considerados “marginais”.

Paradoxos
Paulo Passarinho
“Foi dada a largada da corrida eleitoral para o cargo de gerente da colônia Brasil. Dilma, a atual gerente, Marina Silva, Eduardo Campos e Aécio Neves procuram nesses últimos dias sinalizar posições simpáticas à comunidade financeira, representada pelos bancos e multinacionais.” Leia artigo na íntegra.

RIO ANTIGO
O fechamento do Viaduto da Perimetral está marcado para o próximo dia 02/11 – Feriado de Finados. A interdição, faz parte da estratégia para a demolição inicial do trecho entre o Gasômetro e o Armazém 6, que está prevista para o dia 17/11. A via expressa elevada começou a ser construída no final da década de 50. Somente 20 anos depois, foi inaugurado o trecho que liga o elevado a Ponte Rio-Niterói. A obra provocou um esvaziamento da Zona Portuária. Viaje no tempo