Blog

Leia discurso de Eliomar sobre relação promíscua entre vereadores e Fetranspor

“Eu quero deixar muito claro, primeiro, que há 20 e tantos anos eu sou vereador nesta Casa, conheço tudo que acontece nesta Casa e posso garantir que esta relação entre Vereadores e a Fetranspor, solicitando e cedendo ônibus, é promíscua. E vou dizer porque que é promíscua. É promiscua porque eu, como vereador que estudo a política de transporte, nunca consegui aprovar um projeto meu de transporte aqui nesta Casa. Por quê? Porque consta exatamente este tipo de relação. Porque quando o meu projeto entra na Ordem do Dia, se apresenta emenda ou então ele vai para o espaço. Às vezes não chega nem a vir aqui para o Plenário.

Na Lei Orgânica do Município do Rio de Janeiro, inclusive transporte para pessoas com deficiência, nós não conseguimos aprovar. Vereadores inclusive que jamais votariam favorável ou contra, preferiram sair do Plenário exatamente para não votar de acordo com aquilo que defendia os interesses das pessoas com deficiência.

Apresente um projeto da área de Transporte que contraria interesses do empresário de ônibus que tenha sido aprovado nesta Casanos últimos 10 anos?! Se há necessidade de ônibus para levar crianças para as escolas, que o poder público se responsabilize por isto. Nos outros países que eu conheço, que tenho visitado, quando a gente está num determinado museu, que vê aquela criançada entrar, a gente pergunta como é que aquela criançada chegou; chegou exatamente através de um transporte público.

Esse negócio de primeiro dizer que o pessoal da Fetranspor tem preocupações sociais, isso é conversa para boi dormir! É um dos empresariados mais atrasados que existem na cidade do Rio de Janeiro. De maneira que não tem jantar de graça, o nobre Vereador Cesar Maia sabe perfeitamente disso, já foi prefeito da Cidade do Rio de Janeiro, sabe que não tem almoço de graça, quem dá a mão, dá a condição.

Eu estranhei quando chegou uma pessoa no meu gabinete pedindo para eu conseguir um ônibus, porque quer levar a sua turma de alunos para visitar um museu. Eu disse que não tinha a menor condição. É que eles tinham ido na Fetranspor, e lá disseram que se nós conseguíssemos uma carta de um vereador, o ônibus seria cedido. Então, estou fora, nessa eu não entro, e nunca entrei. Sei como as coisas se dão, eu sei como essa relação acontece, e a prova é o tempo que eu tenho aqui nesta Casa.

Corre pela rádio corredor – todo mundo já ouviu a rádio corredor – que para determinados projetos importantes no sentido de atender aos interesses dos empresários de ônibus, existe uma caixinha. Corre na rádio corredor. Eu não posso afirmar isso porque não tenho provas, mas que corre na rádio corredor, isso corre.

Sabemos da briga enorme que existe nesta Casa, talvez a maior, para ocupar os cargos na Comissão de Transportes e Trânsito. Então, não venha para cima de mim com esta conversa de que esta relação é institucional, legal, porque não é por aí. Saia do armário, vereador aqui tem que chegar e dizer o que ele é, o que ele faz, e geralmente isso não acontece. O discurso aqui é um, mas a prática é outra.

Eu defendo o transporte de qualidade, com segurança, pontualidade e preço acessível. Já provoquei várias vezes o Ministério Publico, já realizei audiência pública com o Ministério Público. Fui uma vez ao Ministério Público com um advogado que dava apoio jurídico no meu gabinete e, conversando com a promotora, falei que era complicado, porque eles entram com a ação e aí vem o pessoal com as recorrências. Essas recorrências são de uns dez, quinze, trinta anos, e quando eu saí falei para ele que ele já tinha perdido o emprego, porque já tinha visto que apoio jurídico não adianta de nada.

Imoralidades aplicadas pela política de transporte na ficam totalmente impunes. A licitação que foi feita pelo alcaide Eduardo Paes, ele que me desculpe, mas é fajuta, é para inglês ver, aquilo não é licitação. Então, são coisas que o meu mandato tem cobrado nesta Casa, e não tem tido o mínimo de sucesso. O que eu reivindico aqui tem legitimidade e tem como referência o desejo da população. Eu vou para as ruas Sr. Presidente, e ouço o clamor dos usuários de ônibus.

Então, é isto. Eu quero que quando se fizer intervenção aqui, faça-se a intervenção, mas não querendo tentar me convencer de que isto é uma prática legítima, legal, porque não é. E eu afirmo e termino dizendo o seguinte: a relação, infelizmente, tem sido promíscua.”

Esta entrada foi publicada em Blog. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

8 respostas a Leia discurso de Eliomar sobre relação promíscua entre vereadores e Fetranspor

  1. Caro Eliomar, é assim em todo setor de transportes de nossa cidade. Juntam a Prefeitura do Eduardo Paes e o Governo de Segio Cabral é tudo um conluio só. Safadeza de contratos, licitações e barganhas e o povo sofrendo nas ruas.

  2. Robson de Castro Miotti disse:

    Entendo perfeitamente sua frustração Companheiro Eliomar em não conseguir aprovar Projetos de relevância Pública devido às promíscuas relações desse Legislativo improbo, salvo raríssimas exceções como o nobre Vereador, com empresários de ônibus.
    O que muito me intriga é o silêncio barulhento de quem deveria fiscalizar essa bandalheira e não o faz mas ainda sim o seu trabalho na Câmara de Vereadores do Rio de Janeiro é de vital importância, pois talvez sem sua ilustre e briosa presença no Parlamento da Cidade talvez seria mais fácil e imperceptível essa ação descarada desses oportunistas.
    Abraço grande!

    • Eliomar Coelho disse:

      Caro Robson,
      Nós não só fazemos barulho mas denunciamos, há tempos, o sistema de transporte municipal. Mas, infelizmente, não temos força para enfrentar os empresários do setor. Nem sequer de aprovar as leis que propomos por conta da tal relação promíscua que eu mais uma vez denunciei no plenário da Câmara.

      Abraços fraternos,
      Eliomar

  3. Perez disse:

    Conheço São Paulo, Buenos Aires, Santiago do Chile, Bangcoc, Kuala Lumpur, Beijing, entre outras cidades de países sub-desenvolvidos e nunca vi um sistema de transporte público tão ruim e caro quanto o do Rio. Uma vergonha!

  4. Pingback: Vistoria no Engenhão | Eliomar Coelho - PSOL - O vereador do Rio

  5. welington eduardo de oliveira disse:

    O Metro é a unica solução para o x do problema!

  6. Jorge disse:

    a grande maioria das empresas, há MUITO tempo, pertencem a família “jacó”. Isso precisa mudar, capitalismo de monopólio, de comparsas …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>