Blog

Megaeventos: de onde vem a corrupção?

O clima é tenso! Governo abrindo mão da saúde pública, planos de “modernização” da educação básica; e agora se deflagra a influência, sem limites, de instituições a quem o Brasil e o Rio gentilmente resolveram hospedar. Cria-se, assim, um ambiente amistoso, de hoje para além de 2016, para recebê-las. Sobra, na outra via, hostilidade no tratamento com a nação e sua população.

Alguns documentos, relatos e aberrações não podem passar desapercebidos. A pesquisadora Kátia Rubio, professora da USP, expressou em artigo publicado no blog Psicologia do Esporte, sua indignação e espanto porque teve seu trabalho ameaçado/inquirido pelo Comitê Olímpico Brasileiro. Segundo relato da acadêmica, o COB informou que o livro teria que ser recolhido porque a professora usou termos exclusivos do Comitê Olimpíco Brasileiro” como ” esporte, educação e valores olímpicos. “O uso dos termos ‘olímpico’, ‘olímpica’, ‘olimpíada’, ‘Jogos Olímpicos’ e suas variações são de uso privativo do Comitê Olímpico Brasileiro no território brasileiro”, argumentava o documento do COB.

Fato é que a lei federal 12.035/2009 – o chamado Ato Olimpíco – estabelece que as autoridades
deverão atuar no controle, fiscalização e repressão de atos ilícitos que infrinjam os direitos sobre os símbolos relacionados aos Jogos Rio 2016. A lei veda a utilização de qualquer símbolo relacionado aos jogos olimpícos, incluindo, além das denominações citadas, o emblema, a bandeira, o hino, o lema e as marcas, entre outros itens. Também insere, na lista, variações relacionadas que venham a ser criadas, em qualquer idioma, inclusive aquelas de domínio eletrônico em sítios da internet. A vedação estende-se à utilização de termos e expressões que, apesar de não se enquadrarem no rol de símbolos, possuam semelhança suficiente para provocar associação indevida.

Em Tramitação no Senado, a Lei Geral da Copa – que protege a propriedade e os símbolos e marcas da Fifa, na prática “expropria a cidade do controle de seu próprio território”, na opinião do professor Carlos Vainer, da UFRJ. A crítica está na matéria “O excepcional Mundo da Fifa”, da Brasil de Fato. Um bom exemplo dos reflexos desta legislação ocorreu na África do Sul. Durante a vigência da Lei da Fifa neste país, uma companhia aérea se autodenominou “A transportadora Nacional Não-Oficial da Você-Sabe-o-Que”, ao promover campanha publicitária.

É claro que não sustentamos aqui que a corrupção vem de fora. No entanto, é curioso (ou acintoso) assistir a esse tipo de desvio, que ostenta consigo uma patente, a patente da FIFA. A questão é que não fomos pegos de surpresa. Conhecíamos (pelo menos os responsáveis pelas candidaturas) a experiência malograda da África do Sul, no que diz respeito aos campos da política e dos direitos. No Canadá, a resposta dada pela Justiça sobre ação contra o COI é que as “regras olímpicas” eram conhecidas quando da canditura da cidade aos Jogos de Inverno de 2010.

Foi dessa maneira que o Maracanã foi desfigurado, mesmo sendo Patrimônio Histórico Cultural, até então protegido por lei nacional. Corrupção não significa apenas roubalheira premeditada e descarada de verba pública. Mas a imoralidade no tratamento da coisa pública, em sua abrangência.

No Rio de Janeiro, assim como outras cidades que devem construir e construir e construir foram registradas centenas de denúncias sobre remoções forçadas. Passar por cima dos Direitos Humanos é crime. Na Câmara dos Vereadores não houve interesse em investigar em CPI todas essas arbitrariedades. As vozes não podem continuar a ser abafadas a despeito de proclamarmos depois que não sabíamos…

Esta entrada foi publicada em Blog e marcada com a tag , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

5 respostas a Megaeventos: de onde vem a corrupção?

  1. MARAVILHOSA EXPOSIÇÃO DO COMPANHEIRO ELIOMAR COELHO
    A FIFA É UM ORGÃO PRIVADO, PORÉM O COMITÊ DE ORGANIZAÇÃO DAS OLIMPÍADAS E DA COPA DO MUNDO EPÚBLICO. PERTENCE AOS CIDADÃOS BRASILEIROS, QUE TERÃO O DIREITO DE OPINAR E QUERER PARTICIPAR DA TRANSPARÊNCIA DE CADA OBRA FEITA E DE SEUS GASTOS.
    É O MÍNIMO, POIS O MÁXIMO QUE OCORRERÁ É O POVO BRASILEIRO NÃO PODENDO PARTICIPAR DOS ESPÉTÁCULOS,POIS SEU DINHEIRO FOI PARA CONSTRUÇÃO DE OBRAS FARAÔNICAS E AS ENTRADAS SERÃO MUITO CARAS

    • Eliomar Coelho disse:

      Cara Thereza,

      Obrigado pelo comentário. De fato, há muitos equívocos na Lei Geral da Copa, a meu ver. Precisamos acompanhar de forma atenta todo este processo sob pena de o país contrair dívidas, construir elefantes brancos, elitizar cidades e penalizar a classé media e a população mais desfavorecida a partir da sanha de negócios especulativos que envolvem os megaeventos.

      Abs,
      Eliomar

  2. Pingback: Atualizando: a bandalheira da Copa e da Olimpíada (2) « A Lenda

  3. escandalos e mais escandalos, hoje em dia vivemos em um mundo assim, caótico, cheio de problemas. vemos cada vez mais escandalos novos, crimes em andamento, todo mundo esta vendo, e sabe que esta acontecendo mas parece que todo mundo passa uma venda nos olhos de modo a fingir qe não esta vendo. Dentro ou fora do nosso país, o mundo esta um verdadeiro caos, e a melhor maneira de corrigir isso é primeiramente corrigir nos mesmos. Quero um país melhor para viver. e quero um mundo melhor para os meus filhos. Como diria o ditado popular o jeito é entregar na mão de deus mesmo.

  4. Adriana disse:

    Este é o Brasil, o país em que nós vivemos. Não teve um dia que eu não tenha ligado a TV ou Rádio, ou mesmo em um simples acesso a internet eu não tenha visto um escândalo novo, mais um crime chocante por parte dos nossos representantes ou mesmo no esporte, sendo dentro ou fora do nosso país, e com certeza tudo que eles fazem tem um impacto diretamente nas nossas vidas. Mas nem todo mundo tem essa noção, ou quando tem não tem caráter algum continuando acreditando neste tipo de gente. Será que um dia vou poder ligar a TV ou o rádio sossegado, sem ver algo do tipo? a resposta, só deus sabe.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>