Rio - 9 de novembro de 2016

Não ao Pacote de Maldades do PMDB

A Alerj foi ocupada ontem (8/11) por milhares de servidores, principalmente da segurança pública, por causa do pacote de maldades enviado pelo governador Pezão.

São 22 projetos que visam aumentar impostos para a população; confiscam 30% dos salários dos aposentados; aumentam a taxação sobre o salário dos servidores; e acabam com qualquer perspectiva de reajuste salarial. Também pune o trabalhador de forma brutal ao estabelecer um teto de R$ 150,00 mensais para o subsídio estadual ao Bilhete Único intermunicipal, além de acabar com projetos sociais, entre outros absurdos. Leia mais ou clique na imagem.

É inconstitucional!

Não ao confisco, à redução dos salários dos servidores ativos, inativos e pensionistas do Rio de Janeiro! Da Educação, da Saúde e de todas as demais áreas de atuação do Estado! Além de ser um grande desrespeito, imoral e covarde, essa medida, antes de tudo, é inconstitucional!

Maldade contra os mais pobres

Os projetos sociais Aluguel Social, Renda Melhor e Restaurante Popular consumiram, juntos, míseros 0,5% do total das receitas arrecadadas pelo estado. Para o orçamento de 2017, estão previstos R$ 250 milhões para os três projetos. Leia mais

Todo apoio à Cultura

Entre os absurdos do pacote de maldades de Pezão e Dornelles está o fim da Secretaria de Cultura, enquanto a comandada pelo filho de Cabral continua intocável. Leia mais

RIO ANTIGO

Alguém conhece o edifício Joseph Gire? Dificilmente. Mas e se trocarmos o nome para A Noite? Muitos certamente se lembram dele, na Praça Mauá, onde funcionou a Rádio Nacional, na era de ouro do rádio brasileiro. Quando foi construído no fim da década de 20 do século passado, era o maior prédio da América Latina. É considerado um marco arquitetônico. Viaje no tempo