Rio - 6 de novembro de 2013

Perimetral: demolição sem planejamento

Eliomar Coelho
“E a realidade começa a bater na porta da prefeitura. Anos após o início do projeto Porto Maravilha, as tão bem sucedidas operações imobiliárias não passam de promessas e vem aí a demolição do elevado da Perimetral. Pouco a pouco, a falta de planejamento, o resultado de tantas medidas de exceção, as reais intenções da prefeitura, e de seus mecenas do mercado imobiliário, vão aflorando e ficando mais claros. Leia, na íntegra, artigo publicado no jornal O Globo.

À toque de caixa?
O asfalto já cedeu na Avenida Binário. Mal foi aberta ao trânsito, a via que serve de opção aos motoristas depois do fechamento da Perimetral já dá mostras de baixa qualidade e evidencia mais uma obra feita às pressas pela prefeitura. Vale lembrar as propostas alternativas que priorizavam a mobilidade urbana e o transporte coletivo. Os alunos da FAU (Faculdade de Arquitertura e Urbanismo), da UFRJ, sugeriram a instalação de um sistema de monotrilhos sob a Perimetral com a demolição apenas das abas do viaduto de forma que a luz e a paisagem não ficassem obstruídas. Veja simulação na matéria “Qual o melhor destino para a Perimetral?”. “Todas as ideias foram ignoradas pelo prefeito. O artigo “Na cidade dos carros, vão derrubar a Perimetral a base de mentiras”, destaca como o investimento no Porto Maravilha está calcado em recursos públicos, como a cidade é voltada para os carros e como a Perimetral não é a culpada pela degradação da Zona Portuária mas, sim, seu abandono pelo Poder Público.

Debate sobre uso do solo

É nesta sexta-feira, dia 08/11, o debate sobre LUOS – Lei de Uso e Ocupação do Solo – na sede do Sindicato dos Engenheiros, a partir das 14h, na passagem do Dia Mundial do Urbanismo. Participam o vereador Eliomar Coelho e professores da UFRJ, UFF, USP e do Instituto de Pesquisas em Infraestrutura Verde e Ecologia Urbana (Inverde). A Lei de Uso e Ocupação do Solo – um capítulo no Plano Diretor Decenal do Rio de Janeiro – é um instrumento que permite simplificar normas vigentes e criar uma única legislação com o objetivo de regularizar a utilização do solo urbano. Mas, para que seja justa e atenda as necessidades de cada localidade, demanda ações de controle e de planejamento. Saiba mais sobre o evento.
Dia: sexta-feira, 08/11
Hora: 14h
Local: Av. Rio Branco 277, 17º andar – Centro

Não aconteceu
A ausência da secretária municipal de Educação, Claudia Costin, durante a audiência realizada ontem, na Câmara Rio, para tratar da Lei de Orçamento Anual 2014 (LOA), no que tange à Educação, inviabilizou uma discussão concreta. A subsecretária Helena Bomeny, ao apresentar a LOA, se limitou a fazer propaganda da política de meritocracia e da privatização da educação pública da prefeitura. A “caixa preta da educação”, o repasse de verbas públicas para instituições privadas, a previsão orçamentária para a valorização salarial de professores e funcionários, quando será realizado o próximo concurso para funcionários e a polêmica da utilização de verbas do FUNDEB para pagamento das aposentadorias foram assuntos evitados na reunião. Leia mais e saiba detalhes das aplicações equivocadas de verbas e as isenções questionáveis adotadas pela prefeitura.

Queremos respostas
A julgar pela inexplicável ausência de respostas aos Requerimentos de Informação encaminhados por parlamentares da Câmara Rio ao prefeito, há, no mínimo, um sério desrespeito de Eduardo Paes em relação ao Legislativo. Segundo levantamento do Mandato Eliomar Coelho, dos 515 requerimentos enviados até a primeira quinzena de agosto, 287 estão sem resposta – ou seja, um total de 55%. Cabe lembrar que o prazo para responder é de, no máximo, 60 dias. O R.I. é a forma que o vereador tem para fiscalizar o Executivo levantando as informações que julgar necessárias.

Justa homenagem
A primeira Tribuna de Imprensa foi instalada no parlamento britânico, no século XIX, quando foi permitida a publicidade dos atos políticos. Em homenagem ao jornalista Maurício Azedo, que faleceu no dia 25/10, Eliomar Coelho apresentou proposta que batiza a Tribuna de Imprensa da Câmara com o nome de Oscar Maurício Lima de Azêdo. Presidente da ABI, Azêdo foi um jornalista combativo na defesa da liberdade de expressão. Militante comunista, em 1976, foi preso e torturado. Filiado ao PDT, foi eleito vereador três vezes (1983, 1989 e 1993). Em sua trajetória como jornalista foi repórter, redator, cronista e editor ao longo de sua carreira em publicações como “Diário Carioca”, “Jornal do Brasil”, “Última Hora”, “Manchete” e Folha de São Paulo.

Quem quer remoções?
A prefeitura do Rio vem usando estratégias com repercussões na mídia e a veiculação da informação equivocada que os moradores da Vila Autódromo querem sair da comunidade. Para derrubar a tática do Executivo, moradores fazem uma manifestação amanhã, quinta-feira (07/11), às 14h em frente a prefeitura para afirmar que não querem ser removidos à força da Vila Autódromo e reassentados nos apartamentos do projeto “Morar Carioca”. Leia mais
Dia: quinta-feira, 07/11
Hora: 14h
Concentração e percurso: Da Vila Autódromo (13h) até a prefeitura, na Cidade Nova.

Remoções, para quê?

Aconteceu no Rio de Janeiro. Aconteceu em São Paulo. Remoções desnecessárias atingiram famílias em favelas onde o mal planejamento público previu obras que sequer foram concretizadas. Aqui, foi na Transoeste, onde terrenos agora vazios serão ocupados por condomínios com apartamentos no valor entre R$ 415 mil e R$ 937 mil. Na capital paulista, moradores do Buraco Quente, na Zona Sul, foram removidos mas o estádio da Copa acabou sendo construído bem longe, em Itaquera, na Zona Leste. Poucas pessoas, como Iraildo, continuam vivendo entre os escombros (foto de Ciro Barros). Se saísse, a filha perderia o ano escolar e a mudança acarretaria em perda de renda uma vez que os clientes de Iraildo moram em um bairro nobre vizinho. Veja reportagem da Agência Pública.

Um apelo racional
“Gostaria de fazer um apelo ao mundo e aos que se importam: Salvem o Ártico! Consumam menos para serem mais, usem sacolas reutilizáveis, apaguem as luzes ao não usá-las, procurem produtos com menos embalagem, usem mais as pernas e menos os carros. Você não é o seu telefone celular, ele não diz nada sobre suas virtudes, você não precisa do último modelo. Separe o lixo, recicle, conserte o que quebrar em vez de comprar outro, informe-se. Existem tantas mil pequenas ações que podem ser feitas todos os dias para salvar o Ártico, a Amazônia, os recifes de corais e todo o resto. Basta escolhermos bem o que comprar. Nós todos e cada um de nós somos responsáveis pela mudança! Promete que vai tentar. E eu vou saber que esse mês presa não foi em vão.” Trecho da carta de Ana Paula Maciel, ativista do Greenpeace que continua presa na Rússia.

Grito de liberdade
Paulo Passarinho
“Hoje, dia 31 de outubro, movimentos sociais, grupos ativistas e entidades de representação política e sindical voltam às ruas, no centro do Rio de Janeiro. A razão é a escalada de medidas e atos de violência – patrocinados pelo Estado – que se volta contra as próprias manifestações e todos os que ousam a se manifestar.” Leia artigo na íntegra

RIO ANTIGO
A foto da praia de Copacabana no início do século XX mostra o trecho do atual Posto 6 de onde se avista…o Morro Dois Irmãos. A existência apenas de casas oferecia esta vista privilegiada a quem se aventurava até aquela região distante do Centro do Rio. O registro faz parte da Coleção Sanson, do fotógrafo amador Octávio Mendes Oliveira Castro. O acervo do industrial reúne fotos feitas nas três primeiras décadas do século XX. Viaje no tempo