Notícias

Pior a emenda que o soneto

Quando o prefeito e o secretário municipal de Urbanismo me chamaram para uma conversa sobre a cidade, logo no começo da nova gestão, um dos assuntos urgentes era a revisão do Plano Diretor, um processo que se iniciou na Câmara Municipal no ano passado. Se houve o convite, foi pelo reconhecimento do acúmulo de experiência e trabalho do nosso mandato, especialmente frente ao Plano Diretor Decenal.

Por ter, de fato, conhecimento sobre a causa, expus todas as minhas preocupações ao prefeito. Disse a ele que o Plano Diretor de 1992 deveria ter passado por uma revisão em 2002. Ou seja, são 18 anos de uma estratégia traçada para uma cidade que não existe mais. Frisei que de nada adiantaria uma revisão sem a realização de um profundo diagnóstico do Rio de Janeiro, sob todas as suas faces.

Para que a revisão do Plano do Diretor fosse real, assinalei que era preciso um mapeamento da cidade, com trabalho de campo posterior para confrontar dados técnicos e realidade. Seria necessária também uma ampla participação da sociedade e discussões abertas sobre os diversos setores que o Plano Diretor abrange para que este novo planejamento se constituísse naquilo que a cidade exige e necessita para evoluir de forma plena. Nada disso aconteceu.

Mais grave. Neste processo de revisão sequer foram observados exigências cruciais como a adequação, ao Estatuto da Cidade, do Substituto n° 3 – proposta que constitui a base da revisão do Plano Diretor-, como foi recomendado pelo Ministério Público à Mesa Diretora da Câmara Municipal. Também não foram cumpridas as disposições transitórias que exigiam uma primeira revisão do Plano após cinco anos e deveriam ter estabelecido os instrumentos institucionais, fiscais, urbanísticos, tributários, e os demais, que regeriam a aplicação do que foi decidido pelo Plano Diretor.

Como se vê, é preciso começar do zero. É preciso começar o que nunca foi feito. Caso contrário, o Plano Diretor que a Câmara revisará não passará de uma farsa. Executivo e Legislativo tem sido coniventes ao permitir que a tramitação prossiga. E não podem alegar inocência ou desinformação sobre o risco de o Plano Diretor, por exemplo, promover a alteração da legislação urbanística vigente e os parâmetros das Áreas de Proteção do Ambiente Cultural (Apacs) que, na prática, impedem a especulação imobiliária em áreas valorizadas da cidade. Não consegui entender o motivo de espanto do prefeito com a noticia veiculada recentemente na midia.

Especialistas do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano e Regional (IPPUR/UFRJ) , do Grupo de Apoio Técnico ao Ministério Público e movimentos sociais já haviam feito duras críticas ao texto revisado, críticas estas encaminhadas à Comissão Especial do Plano Diretor da Câmara do Rio. Com base no relatório do IPPUR, foi instaurado um inquérito civil junto ao Ministério Público, a pedido de entidades civis, de nosso e de outros mandatos, a fim de impedir que este plano seja sacramentado. Caso seja aprovado, o Ministério Público adianta que a Procuradoria Geral da Justiça poderá arguir inconstitucionalidade do projeto por tudo que foi exposto até aqui. E o Plano Diretor será arquivado.

Quem não vem acompanhando o processo de revisão do Plano Diretor da Câmara, talvez tenha se surpreendido ao saber que o Plano Diretor recebeu 1051 emendas dos vereadores, 45 emendas do Executivo e 47 emendas e subemendas. As emendas do Executivo mudaram 96% do teor do Substitutivo n° 3, que praticamente deixou de existir. Não bastasse este arremedo de Plano – um total desconhecido-, na calada da noite foram apresentadas mais 86 emendas de autoria desconhecida e sem numeração, fato sem precedentes no Legislativo e que traz à tona a gravidade da situação.

A conversa com o prefeito morreu na praia. Estamos na iminência de mais uma vez provar para a população que o Legislativo é inoperante, pouco confiável e nada atuante. É isso mesmo?

Esta entrada foi publicada em Cidade, Leis e Projetos, Notícias, Politica e marcada com a tag . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

8 respostas a Pior a emenda que o soneto

  1. é isso mesmo ! companheiro Eliomar, seu diagnóstico esta´correto, para infelicidade geral de todas/os as/os brasileiras/os.
    abraço psolcomunista solidário.
    Sérgio Guimarães, primeiro candidato a senador do PT/BA, 1982, eleições viciadas e manipuladas pela ditadura militar.

    • eliomar coelho disse:

      Caro Guimarães,

      Obrigado pela participalção no blog. Nosso mandato não desistiu de tentar impedir a aprovação de um Plano Diretor que não condiz com a cidade.

      Abs,
      Eliomar

  2. Roberta disse:

    Está na hora de ser oposição a esse desgoverno do PAES. Está, na minhaopinião, ainda em cima do muro. O cara é um “PINOQUIO”!

  3. Lincoln disse:

    Parabéns pelo trabalho, companheiro Eliomar. Essa sua frase diz tudo: “O Legislativo é inoperante, pouco confiável e nada atuante.”

  4. Roberta disse:

    Estamos na iminência de mais uma vez provar para a população que o Legislativo é inoperante, pouco confiável e nada atuante. É isso mesmo!!! No dia 01 de julho foi votado e discutido o Bilhete Único do Municipio e onde estaria o nobre vereador?
    Na verdade, na hora de botar as ideias e discutir com a casa cheia, poucos o fazem. Tem muita gente jogando para o vento o voto dos eleitores do RJ.
    Chega na hora das eleições vem pedir mais um votinho de confiança.

    • eliomar coelho disse:

      Cara Roberta,

      Estive na câmara neste dia, inclusive participei do início da sessão. Todos sabiam de minha posição contrária não só ao projeto mas tb ao fato de ser votado naquela sessão, do jeito que foi. A Casa estava cheia sim, se não estiver enganado apenas 4 Vereadores não estavam na votação, e poucos que ficaram votaram contra. O rolo compressor governamental estava montado para acontecer exatamente o que aconteceu. Infelizmente, não mudaria absolutamente nada para vc ou para mim se eu estivesse ali,
      em mais uma sessão sem poder evitar juntos com os outros que votaram contra a derrota que já era eminente. Se eu soubesse ou tivesse algum indício que minha defesa contrária ou voto fosse capaz de
      sensibilizar um vereador sequer que votou a favor do projeto, juro que deixaria de resolver a urgência médica familiar que me fez sair da casa no meio daquela tarde, e que me fez perder não só esta votação mas tb um reunião sobre o Plano Diretor que na volta do recesso será a próxima
      barbaridade que aquela casa tende a aprovar. No mais, fico triste pela sociedade não ser composta por pessoas fiscalizadoras como você,. Assim, a composição daquela (e também de outras casas legislativas) seria melhor. Ao contrário do que possa parecer, mensagens como a sua perguntando o porquê d’eu não estar lá, não me deixam chateado, e sim
      esperançoso de que cada vez mais pessoas se mobilizem com o que acontece na câmara. Obrigado , e mesmo que eu não tenha a oportunidade de pedir mais seu voto ou você não queira me dá-lo no futuro, vou pedir seu voto de confiança, sim, para que você entenda porque não estava no
      plenário e nem na Casa naquele momento. Acredite: somos poucos. Mas tem gente séria na Câmara e na política de um modo geral.

      Abs,
      Eliomar

  5. Roberta disse:

    Ok. Agradecida. Espero que tudo tenha sido resolvido.
    Abraços;

    Roberta Lima

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>