Blog

Resolução: o PSOL e a sucessão para a prefeitura do Rio

A executiva estadual do Partido Socialismo e Liberdade –PSOL, reunida em 04 de outubro de 2011, resolve:

Iniciar o processo de debates sobre o quadro sucessório da prefeitura da cidade do Rio de Janeiro, apresentando o que consideramos premissas fundamentais. Nosso entendimento inicial parte da compreensão que a construção de um projeto de cidade, bem como, a construção de um programa para governá-la se dá a partir da definição da oposição ao controle e as políticas exercidas pelo PMDB em nosso Estado e em nossa cidade, por Sérgio Cabral e Eduardo Paes. Entendemos, ainda, que o diálogo a ser construído deve estar para além do PSOL, buscando prioritariamente uma aliança social com os atingidos e insatisfeitos por estas políticas.

1- O primeiro passo, apóso lançamento de Marcelo Freixo como pré-candidato, é construir uma proposta de programa com as forças democráticas da sociedade civil que busquem uma alternativa ao modelo imposto na atual gestão, que transforma a prefeitura em um balcão de negócios. Esse será um processo amplamente participativo que partirá dos seguintes fatos: o Rio é hoje uma cidade mais cara, mais suja, mais perigosa, com menos acesso, mais poluída e entregue totalmente aos interesses do lucro. Trata-se, nesse sentido, da formatação de um programa-movimento em que o próprio processo de construção e o seu conteúdo terão critérios de referência na discussão de uma política de alianças com partidos políticos e movimentos integrantes da sociedade civil organizada.

2- Entendemos, por questão de princípio programático, que nossa política de alianças sustenta-se em um projeto de cidade e que, portanto, se limita à candidatura majoritária, entendendo que a representação proporcional é preenchida individualmente por cada partido que componha a aliança majoritária.

3- O PSOL apostará no processo progressivo de movimento e participação na formulação do programa.Trata-se de um PROGRAMA MOVIMENTO que estará aberto para agregar, de forma ampla, os grupos sociais que hoje se movimentam pela retomada dos direitos, po rparticipação real da sociedade civil e por uma gestão mais ética no compromisso com a coisa pública, questionando a privatização sem nenhum critério, e as contra-reformas que atingem as políticas públicas, em especial na saúde e educação. Enfatizamos, ainda, a importância do contraponto à lógica do empresariamento da cidade, com a entrega do espaço público ao setor privado, por conta dos megaeventos. Portanto, o PSOL reafirma sua vocação transformadora e indica os seguintes eixos estruturantes para dar forma ao projeto que guiará as ações de disputa para a eleição municipal de 2012 no Rio de Janeiro:

Uma cidade pública, inclusiva, com controle social e investimentos em serviços que atendam às necessidades de quem mora no Rio.

(Gestão Pública Transparente, e acessível à Consulta Cidadã, nos seus Contratos, Orçamento, garantindo Instrumentos de Participaçãoe Controle Social. Prestígio à Seguridade Social, com modelo de Desenvolvimento Econômico voltado para uma melhor distribuição de Renda e garantia de Trabalho)

Uma cidade limpa, ambiental e socialmente justa e sustentável.

(Ecologia Urbana, Saneamento, Lixo, Desenvolvimento Econômico compatível com Meio Ambiente protegido, Tributação progressiva).

Uma cidade de direitos, com qualidade em serviços públicos e baixas tarifas.

(Educação, Saúde, Transporte, Moradia, Saneamento Básico,Iluminação).

Uma cidade livre e segura, com ocupação humanizada nos espaços públicos.

(Segurança Pública, Urbanização, Cultura, Liberdade e Diversidade)

Esta entrada foi publicada em Blog e marcada com a tag , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

3 respostas a Resolução: o PSOL e a sucessão para a prefeitura do Rio

  1. MARCUS LOPES disse:

    Fiquem atentos, pois uma aliança com o PV pode ser apenas um trampolim para o Gabeira, que saiu de uma eleição 2010, derrotado, por ter traido a Marina, feito acordo com o Cesar Maia e apoiado o Serra. Não vai demorar muito para o PV vai ganhar seu Ministério no Governo Dilma, e o beneficiado será o Sarney Filho.. não será de bom alvitre, ter um PV-Partido Vendido, maculando a candidatura majoritária do PSOL . E ser apoiado por um Ex-Gabeira é dose pra leão de circo.. o cara quer uma palco pra ser o proximo candidato a governador, ta na cara que ele não acredita na vitoria do candidato do PSOL, só quer limpar a imagem de derrotado, ele usa todos, suga todos e ainda é omisso, como as velhas raposas políticas que hoje começam entrar em extinção, eles falam de coerência e fazem diferente do que pregam…

  2. Muito boa a Resolução. Dá nitidez quanto às diretrizes básicas que levaremos para o diálogo político-eleitoral, seja com os movimentos vivos da sociedade – sempre prioritários, para nós -, seja com os partidos que estejam fora do condomínio do poder dominante (há um ou outro multicor em ambiguidades, reconheçamos). Em resumo, creio que oporemos a cidade democrática à do capital, o espaço urbano ambientalmente cuidado e humanizado ao seu continuado uso como mercadoria, a gestão participativa e horizontal à gestão gerencial, autoritária, a prioridade dos gastos sociais, transparentes, às tenebro$as transações da promiscuidade público-privada hoje vigentes. Para fazer a diferença! Tudo isso pode produzir um bom acúmulo para nossa Conferência Eleitoral do próximo ano. PSOL, um partido necessário!

    • Eliomar Coelho disse:

      Camarada Chico,

      O PSOL vem ganhando tônus a cada eleição! A resolução é uma prova da maturidade política do partido. Certamente, o PSOL fará a diferença no próximo pleito. A hora é de refetir, discutir e burilar o melhor caminho.

      PSOL, um partido necessário!
      Abs,
      Eliomar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>