Blog

Rio antigo: a Barra da Tijuca desabitada que poucos viram

Uma estrada estreita que corta um território desabitado. De um lado o mar, do outro apenas vegetação litorânea. Este é o registro da foto de 1956 que mostra a Avenida Lúcio Costa (antiga Avenida Sernambetiba), na Barra da Tijuca. Ao fundo, as montanhas e a serra que leva à região das Vargens. Esta localidade sofre hoje uma especulação tão ou mais feroz que a imposta a Barra da Tijuca.

A extensa região que inclui Recreio, Camorim, Vargem Grande e Vargem Pequena foi uma herança territorial outorgada por Estácio de Sá à família de seu sobrinho, Salvador Correia de Sá, governador do Rio no século XVI. Atravessou gerações e acabou nas mãos do monges Beneditos, no século XVII, como doação. De tradição rural, a região observa, desde 2008, um crescimento ainda mais vertiginoso que o ocorrido na Barra da Tijuca partir da década de 70, que se estendeu por cerca de trinta anos .

Arruinados e perseguidos, no século XX, os Beneditinos venderam suas terras e a região foi repartida entre poucos proprietários, entre eles empreiteiras. O censo evidencia o processo de fragmentação e ocupação da região: em 2010, viviam 43.259 pessoas na região das Vargens. Na Barra, a população era de 135.924 moradores.

O futuro das Vargens ainda não está totalmente selado. Que as autoridades não permitam a transformação da área em “uma cidade de torres sem a vitalidade das ruas”, como definiu o arquiteto e doutor em Geografia, Leonardo Name, professor da PUC Rio.

Leia “Construção de prédios na região das Vargens causam inundações”
Leia “Peu das Vargens, uma feroz especulação imobiliária”

Esta entrada foi publicada em Blog. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>