Rio antigo: a estátua de Pixinguinha

Uma estátua em bronze de Pixinguinha tocando saxofone, em tamanho natural, provoca a admiração de quem passa pela Travessa do Ouvidor, que liga a Rua do Ouvidor à Rua Sete de Setembro (antiga Rua do Cano), no Centro. O compositor de “Carinhoso” era frequentador assíduo do Bar do Gouveia (atual Wiskeria), ponto de encontro da boemia carioca. A obra mede 1,80m e leva a assinatura do escultor Otto Dumovich.

A passagem teria sido aberta no final do século XVII ou início do século XVIII. A viela também recebeu o nome de Rua Nova do Ouvidor, Rua do Padre Duarte, Rua das Flores e Cabo Roque, em homenagem a um herói da Guerra dos Canudos.

Embora de pequena extensão, no local funcionam bares, lanchonetes, papelaria e lojas de roupas e de produtos eletrônicos, além de cartório. Em um prédio da travessa funcionam setores do Ministério Público do Estado; em outro, a Procuradoria Geral do Município (PGM).

Alfredo da Rocha Vianna Filho (Rio de Janeiro, 1897-1973), o imortal Pixinguinha, tocava flauta e saxofone. Além de instrumentista talentoso, foi um grande compositor e arranjador. Entre milhares de composições, destaque para “Carinhoso” e “Lamentos”.

 

Esta entrada foi publicada em Rio Antigo. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>