Blog

Rio antigo: a história dos negros no Engenho Novo

Os jesuítas eram donos de lavouras e canaviais localizados no Engenho Novo desde o início do século XVIII. Quando foram expulsos do Brasil, em 1759, suas terras foram devastadas para exploração de madeira e cultivo de hortaliças. Nesta época, surgiu uma ocupação de escravos libertos no Morro dos Pretos Forros, região que percorre a Estrada Grajaú-Jacarepaguá e até hoje tem uma comunidade que lá reside. O bairro se desenvolveu com o surgimento da Estação do Engenho Novo em 1858. As terras foram loteadas e começou o processo de urbanização com a construção de ruas, muitas delas sobre terrenos pantanosos. No início do século XX, houve o boom do comércio nos arredores da estação que atraía moradores de outras regiões da cidade. O registro é mais recente, de 1954, e mostra um bonde correndo na Rua Barão de Bom Retiro, dobrando na Rua Verna Magalhães, que fica logo depois do Colégio Pedro II, construído exatamente na década de 50.

Esta entrada foi publicada em Blog. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Uma resposta a Rio antigo: a história dos negros no Engenho Novo

  1. Pingback: Militância qualificada | Eliomar Coelho - PSOL - O vereador do Rio

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>