Rio Antigo: bairro fabril de São Cristóvão

São Cristóvão, na Zona Norte da cidade, era um bairro fabril no início do século 20, aliás, o que tinha mais fábricas no Rio. Nele, também estava localizado o campo do São Cristóvão Futebol e Regatas (ao centro), que se sagraria campeão carioca de futebol no ano de 1926. O início do desenvolvimento do bairro se deu com a chegada da família real ao Rio.

O desenvolvimento como área urbana de São Cristóvão se deu com a chegada da família real portuguesa (1808), com a ocupação da Quinta da Boa Vista. Até metade do século 19, o bairro fazia limite com Engenho Velho, Andaraí, e Tijuca. E com Vila Isabel, ao final desse século.

O bairro sofreu uma transformação no fim do século 20, quando passou a ser uma opção mais em conta para morar, por causa do ainda elevado número de fábricas e poluição na região. Na primeira década do século 21, verifica-se uma revalorização de imóveis no bairro.

O Estádio Figueira de Melo (atual Ronaldo Nazário) foi fundado em 1916. Na década de 1930, recebia um público que variava entre 10 mil e 20 mil espectadores. Com a demolição de parte das arquibancadas, a capacidade do estádio diminuiu para 8 mil – atualmente recebe até mil torcedores. Sua “Torcida Cadete” é assim chamada pelo clube ficar próximo de instalações do Exército.

Continua atuando, mas sem o destaque dos áureos tempos, quando o clube chegou a ser campeão carioca de futebol de 1926.

Atrações de São Cristóvão: Paço Imperial de São Cristóvão (Quinta da Boa Vista), palacete da Marquesa de Santos, Museu Nacional, Jardim Zoológico e a Feira de São Cristóvão.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Foto: Jorge Kfuri s.d

http://brasilianafotografica.bn.br/brasiliana/handle/20.500.12156.1/4266

Esta entrada foi publicada em Rio Antigo. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>