Rio antigo: Central do Brasil

O primeiro prédio da Central do Brasil, que pertencia, à época, a “Companhia de Estrada de Ferro D. Pedro II”, foi inaugurado em 1858, juntamente com o primeiro trecho, que ia até a Vila de Queimados, cobrindo 48,210km e cinco estações: Campo (hoje Central), Engenho Novo, Cascadura, Maxambomba (Nova Iguaçu) e Queimados.

Estação da Estrada de Ferro Central do Brasil. Foto Marc Ferrez de 1890

A Central do Brasil, estação de trens metropolitanos, fica na Praça Cristiano Ottoni s/nº, no Centro do Rio. Alguns especialistas a consideram a estão de trens mais famosa do país. O prédio atual tem 135 metros de altura e foi construído em 1943, durante o Estado Novo. O famoso relógio da estão foi inspirado na art déco (abreviação de arts décoratifs).

Ainda em 1858, a então “D. Pedro II” linha ganhou mais um trecho, desta vez de 13km, chegando a Belém (Japeri), na raiz da serra. Dali, saiu o Ramal de Macacos (Paracambi), concluído em meados de 1861.

A Central do Brasil, ao se ligar a São Paulo (1871) e Minas Gerais (Juiz de Fora, 1874), tornou-se um das principais ferrovias do país. (Em 1950, ligou-se a Bahia.)

Entre 1876 e 1880 foi construído o ramal de Sapopemba (atual Deodoro) a Santa Cruz e Matadouro, perto da Côrte.

Com a Proclamação da República, a partir de 22 de Novembro de 1889 a companhia trocou de nome, passando a se chamar “Estrada de Ferro Central do Brasil”.

A decadência teve início em 1957, quando foi criada a Rede Ferroviária Federal. Com os anos, perdeu sua identidade, algumas linhas, que davam prejuízo, foram desativadas, e outras incorporadas a outros sistemas.

Atualmente, os sistemas suburbanos que foram parte da Central, funcionam de forma separada. Os subúrbios da Central em São Paulo fazem parte da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos – CPTM.

Já os do Rio de Janeiro encamparam parte da antiga malha da Estrada de Ferro Leopoldina e fazem parte da Supervia.

 

O famoso relógio da Central do Brasil.            Foto André CVC Mendonça.

 

 

Esta entrada foi publicada em Rio Antigo. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>