Blog

Rio Antigo, toda sexta!

No século XVIII, quando o Rio mais parecia Paraty, a população não corria o risco de sofrer um apagão. A cidade podia ser mal iluminada mas não dependia do bom funcionamento da Usina Hidrelétrica de Itaipu ou da Light. A iluminação era garantida por lampadários suspensos na frente de alguns edifícios. Outra peça utilizada era o oratório mural. Instalado em esquinas, nele era depositada uma vela de cera ou candeeiro aceso com auxílio de óleo de baleia. O que aparece na foto ficava na esquina das ruas Alfândega e Regente Feijó, no Centro, e foi demolido em 1906. Seria útil, hoje, em tempos de pane geral.

Esta entrada foi publicada em Blog, Rio Antigo e marcada com a tag . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>