Rio Antigo, toda sexta!

Estamos vivendo um novo Bota Abaixo?  O prefeito já ganhou, de alguns, o apelido de novo Pereira Passos, responsável por uma profunda reforma urbana que resultou na abertura da Avenida Central (atual Rio Branco). Em 1921, o então prefeito do então Distrito Federal, Carlos Sampaio, decretou o fim do Morro do Castelo, que era visto como o símbolo degradado do condenado passado colonial português. A demolição do morro iniciou-se com a abertura da avenida, em 1904.

Veja o comentário do geógrafo Paulo Cezar de Barros: “os discursos higienista e estético que legitimaram as reformas de Passos e Sampaio transformaram as áreas centrais através de várias “cirurgias” urbanas, onde se concentravam as camadas populares da cidade.  Entretanto, para os trabalhadores, interessava residir no centro pois era ali que se concentrava a oferta de emprego.  Além disso, o custo e precariedade dos sistemas de transportes, contribuíam para a sua resistência em permanecer na área central.”

O relato não faz pensar no processo de remoção de moradores das comunidades de Vila Recreio II, Vila Harmonia e Restinga, para construção da Transoeste – corredor expresso com ônibus articulado que ligará Campo Grande e Santa Cruz à Barra Tijuca?

Abaixo, foto do alto do Morro do Castelo, em 1920. Ao fundo, a Baía de Guanabara.


Esta entrada foi publicada em Rio Antigo. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Uma resposta a Rio Antigo, toda sexta!

  1. souldorio disse:

    Caro Eliomar,
    Tenho acompanhado a sua série de postagens sobre as remoções em Vargem Grande e Recreio. A conclusão lógica a que se chega a partir da análise de todos esses fatos recentes é exatamente essa que você cita na postagem de hoje.
    O pior de tudo é constatar, em conversas com parentes e amigos, que todos estão achando tudo muito natural e correto; que “aqueles que não podem comprar um terreno para sua moradia próximo ao seu local de trabalho que morem longe mesmo”.
    A reserva de espaços para moradias populares não é apenas uma questão de humanidade, mas também de bom senso, e deveria ser uma das preocupações dos administradores das cidades. Sem essa preocupação, contribuímos, todos nós, para a implantação da barbárie, agora com a justificativa do “respeito à propriedade” e com o aval da dita sociedade organizada.
    Aproveito para te desejar meus melhores votos de uma feliz passagem de ano e expressar meu orgulho por tê-lo como representante na nossa Câmara Municipal.
    Grande abraço,
    Roger.

    • eliomar coelho disse:

      Caro Roger,

      É lamentável como muitas pessoas não entendem o direito à moradia com qualidade de vida dentro de uma ótica de igualdade.

      Muito obrigado por seu comentário que, neste ano que se inicia, serve como belo incentivo dentro da minha trincheira na Câmara Municipal.

      Forte abraço,
      Eliomar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>