Blog

Saúde pública privada?

Assistimos a mais uma tentativa de se repassar áreas essenciais do serviço público às mãos da iniciativa privada. A fim de impedir que quatro emergências de hospitais municipais sejam administradas por Organizações Sociais, recorri ao Tribunal de Contas do Município com o argumento de que a medida é ilegal.

Nosso mandato sempre atuou em defesa da qualidade de vida do cidadão carioca e dos direitos do trabalhador. Não podemos permitir o desmonte do serviço público. O que queremos é mais investimentos e mais estímulos aos funcionários.

Não é fator de motivação para um profissional que passou pelo funil de um concurso público ver a prefeitura privilegiando mão de obra privada. Recentemente, critiquei a iniciativa da prefeitura de contratar, através de Organizações Sociais, médicos com salários de R$7,5 mil a R$ 15 mil para atuar no programa Clínica da Família da prefeitura no post “Quanto vale um profissional?”. Vale frisar que o salário é superior aos dos médicos da rede municipal.

Volto a destacar que o modelo das OSs não é novo. Na gestão passada, a prefeitura foi pioneira em repassar para ONG’s a total responsabilidade pela administração de creches. Muitas foram as denúncias de desrespeito às leis trabalhistas e casos de famílias que tinham de arcar com todo material necessário à permanência da criança nessas unidades de educação infantil: lençóis, fraldas, medicamentos e alimentos. A despeito dessas ONG’s receberem verbas públicas para administração das creches.

Na área de transportes essa estratégia também já foi utilizada com a privatização do Metrô, Barcas e trens. Basta analisar o sistema de transportes para se constatar que a tão propalada eficácia do novo modelo não é real.

Esta entrada foi publicada em Blog, Notícias, Prefeitura, Saúde e marcada com a tag . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

6 respostas a Saúde pública privada?

  1. “eles” tao dando pra trás! grande comoanheiro Eliomar, se eh q em auguma epoca, ou momento, andaram pra frente. salvo pra os “do peito!, neh? a soluçao, companheiro eh esta q vc assume e pratica: o combate duro mas civilizado. aproveito pra pedir q me consiga envio constante dos nosso parlamentares ahi do Rio, ois gosto muito da linha de atuaçao dos tres jah conhecidos e pouquinho do Jean, sou baiano mas mantenho um carinho especial pela “Cidade Maravilhosa” e pelos fluminenses. desde jah agradeço a atençao.

    • eliomar coelho disse:

      Caro Guimarães,,

      Esta questão é muito séria e passa pelo desmonte do serviço público.

      Obrigado pela participação constante no blog.
      Abs,
      Eliomar

  2. Saudações

    Vemos mais uma vez o dinheiro público servindo a interesses particulares. O atual prefeito faz jus a sua origem política. Quem não se lembra do hospital de Acari?
    Será que é isso que chamam de PPP (Parceria Público Privada)? Lastimável!
    As OSs (Organização Social) são reedições mais bem-sucedidadas das antigas Oscips. A desculpa mais usada pelos defensores dessa vergonha chamada de OS é a Lei de Responsabilidade Fiscal, que impossibilita o Poder Público gastar mais de 60% da arrecadação com folha de pagamento.
    O que é interessante é que há verbas. Não é a falta de verbas que impede que tenhamos um Serviço Público de qualidade. Para os interessados, o problema(?) talvez seja a necessidade de se realizarem concursos públicos, ou seja, regras claras para a contratação de profissionais. Pois, os concursados devem realizar provas que constatem a sua qualificação e não apenas apresentar o apadrinhamento de pessoas inescrupulosas.
    O objetivo das OSs é claro: servem para estabelecer o desmonte do Serviço Público como um todo, bem debaixo de nossos narizes. E o que é pior, dentro de um aura de legalidade. Pode até ser legal, mas é imoral.
    Sistema educacional, de saúde, de segurança, o que mais vamos privatizar nesse país?

    Um abraço.

    • eliomar coelho disse:

      Cara Patrícia,

      Assino embaixo das suas palavras que complementam o meu post.
      Obrigado pela participação constante!
      Abs,
      Eliomar

  3. Pingback: Saúde: bandalheira tem limite « A Lenda

  4. Luiz Almeida disse:

    Prezado Eliomar,

    Gostaria que me esclareça sobre:
    Que é realmente uma Organização Social?
    Ela funcionaria num Orgão Público de Ciência e Tecnologia?
    Quais as vantagens e desvantagens para a Instituição e para os funcionários do quadro (público federal)?
    Att,
    Luiz Almeida
    salmeida@cetem.gov.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>