Notícias

Tarifa Social nas barcas de Charitas

A apelação ao judiciário, por parte do Governo do Estado, contra a implementação da Tarifa Social nas barcas de Charitas nos leva às seguintes constatações, umas novas, outras nem tanto:

1. A judicialização da política só é vista como “errado”, “apelativo”, “desnecessário” quando parte daqueles que defendem a manutenção ou a ampliação de direitos para quem trabalha e paga imposto. Quando é pra defender os interesses dos mais ricos e poderosos, não há qualquer pudor em apelar ao Poder Judiciário;

2. Um governo já em final de mandato ter a “coragem” de defender interesses diretos das concessionárias que operam um serviço fundamental como o transporte público hidroviário, só nos demonstra que as grandes redes de poder e influência do empresariado sobre gestores públicos ainda estão longe de serem desbaratadas;

3. A luta pelo direito de ir e vir não pode ter descanso! Precisamos estar atentos aos movimentos deste e do próximo governo, cujos indícios, já na transição, demonstram que será muito mais de continuidade das atuais relações estranhas com o setor privado do que a suposta ruptura prometida na campanha eleitoral.

Vale lembrar que esta matéria foi votada em dois turnos pela Alerj. Aprovada, o governo vetou e o veto foi derrubado pelo plenário, o que demonstra a força política e a necessidade da população por uma nova forma de gerir o sistema. A judicialização desta questão, apesar de ser um direito do Poder Executivo, é politicamente ofensiva para a nossa população.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Bem-vindo ao Facebook do Eliomar

Esta entrada foi publicada em Notícias, Transportes. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>