Rio - 5 de junho de 2013

Vistoria no Engenhão

Os vereadores Eliomar Coelho – engenheiro civil e especialista em estruturas-, Paulo Pinheiro e Renato Cinco (PSOL/RJ) farão uma vistoria, ainda sem data marcarda, no Engenhão, fechado pela prefeitura. Eliomar sustenta que há muitos ruídos sobre o verdadeiro motivo para a interdição e a situação precisa ser investigada. Em 2007, ele tentou, em vão, instalar uma CPI para apurar irregularidades no Pan. Uma inspeção extraordinária do Tribunal de Contas do Município, feita a pedido do mandato, apontou sobrepreço de mais de 400% no valor inicialmente orçado para a construção do estádio por falhas ou mesmo ausência de um projeto básico. Ano passado, Eliomar entrou com uma representação, junto ao Ministério Público, pedindo improbidade administrativa da Delta e de outras quatro empreiteiras (Odebrecht, OAS, Racional e Recoma) envolvidas na obra que teve inexplicáveis 21 aditivos.

Representação premiada

Foi comovente a entrega da Medalha Pedro Ernesto ao deputado federal Jean Wylllys (PSOL/RJ). A homenagem do vereador Eliomar Coelho lotou o plenário de amigos e admiradores. “Esta medalha é uma resposta à difamação e estigmatização da comunidade LBTG, da população negra das periferias da cidade e do povo de santo”, afirmou o parlamentar. “Travei uma batalha para passar da vergonha para o orgulho. E esta batalha se desdobra na minha vida parlamentar”, disse Jean, primeiro homossexual assumido a obter uma cadeira no Congresso Nacional onde combate a homofobia, o preconceito contra o negro e a mulher e o fundamentalismo religioso. Foto de Cícero Rodrigues. Veja outras fotos do evento e leia o discurso de Jean Wyllys.

Aumento exige explicação
Proposta do deputado federal Ivan Valente (PSOL/SP) obriga a divulgação, pelo Poder Público, dos cálculos usados pelas empresas de ônibus para fazer a revisão tarifária e dos fundamentos que balizam a decisão. Atualmente, a Política Nacional de Mobilidade Urbana (Lei 12.587/12) garante publicidade nos processos de aumento de tarifa apenas em casos extraordinários. O projeto que tramita na Câmara Federal vem consolidar algo que, no Rio de Janeiro, já é nossa pauta há muito tempo: é preciso abrir a caixa-preta do circuito financeiro das empresas. A publicização das planilhas significa não apenas a garantia da transparência nos dados, mas principalmente o controle público da gestão do sistema. Esse é o único caminho para a obtenção de um sistema de transporte mais efetivo para a população.

Troca de favores
Reportagem do jornal O Globo publicada no último sábado (01/06) expôs as relações delicadas de alguns parlamentares com empresas de ônibus que emprestam coletivos para suas atividades. “Posso garantir que esta relação entre vereadores e a Fetranspor, solicitando e cedendo ônibus, é promíscua. Nunca consegui aprovar um projeto meu de transporte aqui nesta Casa. Quando entra na Ordem do Dia, apresenta-se emenda ou então ele vai para o espaço. Às vezes nem chega ao Plenário”, afirmou Eliomar em discurso em sessão do Legislativo. O parlamentar entrou com representação junto ao Ministério Público do Trabalho denunciando a ilegalidade da dupla função de motorista e trocador. O processo está em tramitação.

O estigma da tortura
Cid Benjamim
“O comportamento dos militantes — entre os quais me incluo — foi pouco humano. Houve nele algo de vendetta em relação ao tenente médico Amílcar Lobo. O tenente médico Amílcar Lobo examinava os presos no DOI-Codi durante as sessões de tortura. Além disso, aplicava pentotal, o chamado soro da verdade, na veia dos interrogados mais recalcitrantes. Era uma peça daquela engrenagem sinistra. Como tal, deveria ter sido julgado e condenado.” Leia artigo na íntegra

História das favelas
O Rio On Watch (Rio Olympics Neighborhood Watch = Comunidades do Rio de Olho nas Olimpíadas) publicou, em três partes, a história das urbanizações nas favelas até os dias atuais. “A primeira favela do Rio foi fundada em 1897 pelos veteranos da Guerra de Canudos e as centenas de favelas que seguiram, durante o século XX, também foram fruto da mesma necessidade de começar uma vida urbana em uma cidade carente de habitações com preços acessíveis”, informa a reportagem. O site de notícias em inglês (com textos traduzidos para o português) é um projeto da Comcat (Comunidades Catalisadoras) que dá voz a moradores e líderes comunitários. Também focaliza e analisa as mudanças urbanas que ocorrem nas favelas até 2016.

Lamento de um órfão do Maracanã
Marcelo Pimentel Lins
“O new Maracanã me lembrou aquelas histórias de gente submetida a lobotomia.Parece muito, mas não tem nada a ver com a pessoa que você conhecia. Olhando para a estrutura era como reencontrar um velho conhecido , mas sem os traços característicos de personalidade. Tudo bem higienizado, desde o entorno. Já lá dentro…tudo muito numerado, stewards em profusão no estilo Premier League.” Leia na íntegra o comentário do jornalista Marcelo Pimentel que foi in loco conhecer o novo estádio.

Liberdade de expressão
O Brasil de Fato – impresso produzido pelo MST – completa 10 anos de existência. Para homenagear a publicação, que tem mais de 32 mil seguidores no twitter, o vereador Renato Cinco (PSOL/RJ) fará entrega, no próximo dia 14/06, sexta-feira, de Medalha Pedro Ernesto e de 20 moções com o objetivo de destacar aqueles que defendem a democratização da informação. Estarão, na mesa, o economista Pedro Stédile, fundador do MST, o deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL/RJ) e o cineasta Silvio Tendler, entre outros. Após a solenidade acontece a festa “Cinco para a Livre Comunicação”, no Centro Cultural João Maria Teresa Vieira, no Centro do Rio.
Dia: sexta-feira, 14/06
Hora: 18h
Local: ABI, na Rua Araújo Porto Alegre nº 71/7º andar

RIO ANTIGO
As mudanças na Barra da Tijuca e Recreio, como já retratamos aqui, foram galopantes nas últimas décadas. Mas é importante revelar imagens da Praia da Reserva totalmente selvagem para lembrar que a APA Marapendi deve ser respeitada. Quem olha a imagem da foto, um registro da década de 60, percebe que somente o que foi preservado por lei permanece como no passado. E agora a prefeitura quer atropelar como um trator a legislação e devastar o pouco que resta de natureza preservada. A especulação imobiliária varreu a paisagem da Barra e do Recreio. A Praia da Reserva, Prainha e Grumari – que estão em Área de Preservação Ambiental – não podem ser destruídas.
Viaje no tempo