Notícias

Cadê a fiscalização? Foi feita manutenção nos trens?

A retirada de circulação de 40 trens da Supervia, sem aviso com antecedência, causou enorme transtorno para centenas de milhares de usuários do sistema nesta segunda-feira (18). Esse assunto foi discutido na  Alerj em reunião conjunta da Comissão de Transportes e da Região Metropolitana, nesta quinta (21).

Cadê a fiscalização? Manutenção e preservação? Foram feitas?, cobrou Eliomar. Ficamos sabendo que os trens comprados no segundo lote pelo estado do consórcio CRRC (consórcio chinês) apresentam problemas técnicos desde 2016. Três anos depois, a AGETRANSP (agencia que fiscaliza o consórcio) diz fiscalizar a Supervia com constância, o que fica difícil de acreditar devido aos problemas recorrentes. E mais: sob um regime de manutenção e fiscalização constantes, não gerariam uma situação, nas palavras do secretário de Transportes Delmo Pinho, de uma “lamentável coincidência”, exigindo a retirada de todo o segundo lote dos trilhos (40 trens ao todo), devido ao desgaste da caixa de tração da empresa alemã “VOITH”, de um dia para o outro, o que é, no mínimo, um grande desrespeito aos usuários.

Ouvimos ainda que a prioridade é voltar com os trens em condições ideais de segurança. No entanto, não foi apresentado qualquer planejamento por parte do governo para ressarcir a população (com gratuidade ou desconto da passagem), punida de forma brutal, enquanto a operação dos trens não se normaliza.

Até setembro de 2020, todas as peças alemãs do segundo lote serão trocadas por peças chinesas (similares do primeiro lote de trens comprados pelo Estado) que apresentam capacidade de operar sob as mesmas condições. Das 201 composições operadas pela secretaria, um certo montante não estava operando no momento da notícia da retirada dos 40 trens. Desses trens ociosos, nenhum estava apto a cobrir o itinerário dos trens chineses retirados, demonstrando a falta de planejamento para casos emergenciais.

A Defensoria Pública enfatizou que o usuário já sofre danos diários, apesar de a Supervia afirmar que não parou com o serviço, mesmo tendo chegado ano nosso conhecimento que usuários chegaram a espera 45 minutos por uma composição.

Esta notícia está no Facebook do Eliomar

Esta entrada foi publicada em Notícias, Transportes. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>